0

Defesa de acusados de matar Marielle pede suspensão do processo

Segundo advogados, falhas na investigação levantadas pela PGR no pedido de federalização indicariam a necessidade de novos depoimentos

5 nov 2019
19h25
atualizado às 19h37
  • separator
  • 0
  • comentários

A defesa do ex-PM Élcio Queiroz e do PM reformado Ronnie Lessa pediu a suspensão do processo em que são acusados do assassinato da vereadora Marielle Franco (PSOL) e do motorista Anderson Gomes.

Grafite de Marielle Franco.
Grafite de Marielle Franco.
Foto: Ricardo Moraes / Reuters

Segundo os advogados, novas informações sobre falhas e fraudes na investigação levantadas pela então procuradora-geral da república Raquel Dodge no pedido de federalização do caso indicariam a necessidade de novos depoimentos.

"É preciso suspender o processo até que todas essas novas informações sejam apuradas", afirmou o advogado de Lessa, Fernando Santana.

No pedido ao juiz, a explicação para a suspensão é: "suspensão do curso do processo até decisão do STJ sobre federalização do caso; reabertura da instrução com oitiva de novas testemunhas; ofício ao STJ, Procuradoria Geral da República e Polícia Federal; e pedido de liberdade dos acusados."

Com isso, o inquérito foi remetido de volta ao MPRJ.

As supostas irregularidades cometidas pela Polícia Civil do Rio na investigação do caso foram reveladas depois que a Polícia Federal, a pedido da PGR, instaurou um inquérito para apurar obstruções no processo.

"É imperiosa a federalização para unir, de vez, toda a atividade estatal de apuração do mandante dos assassinatos em tela, evitando que a manutenção do inquérito na Polícia Civil possa gerar o risco de novos desvios e simulações", afirmou Dodge na época.

O STJ deve analisar até dezembro o pedido da PGR para federalizar as investigações.

Veja também:

 

Estadão
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade