0

Maia diz que tuíte de Bolsonaro sobre Venezuela não tratava de declaração de guerra

1 mai 2019
14h57
atualizado às 15h21
  • separator
  • 0
  • comentários

O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), disse nesta quarta-feira que o senador Flávio Bolsonaro (PSL-RJ), filho do presidente Jair Bolsonaro, esclareceu a ele que uma mensagem no Twitter feita pelo presidente na véspera sobre a Venezuela não tratava da possibilidade de declaração de guerra e afirmou não ter interesse em conflito com Bolsonaro.

Presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia. 8/4/2019. REUTERS/Adriano Machado/File Photo
Presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia. 8/4/2019. REUTERS/Adriano Machado/File Photo
Foto: Reuters

"Recebi mensagem do senador Flávio Bolsonaro esclarecendo que a postagem do presidente Bolsonaro em sua conta no Twitter, ontem, sobre a crise na Venezuela não tratava da possibilidade de declaração de guerra. Isso nos tranquiliza, porque é uma postura de respeito ao Parlamento", escreveu Maia no Twitter.

Na terça, em meio ao agravamento das tensões na Venezuela, Bolsonaro foi ao Twitter afirmar que qualquer decisão do Brasil sobre a Venezuela seria tomada "exclusivamente" pelo presidente da República, após ouvir o Conselho de Defesa Nacional.

Maia, que está desde segunda-feira em viagem internacional, reagiu lembrando os artigos da Constituição "que é competência exclusiva do Congresso Nacional autorizar uma declaração de guerra pelo presidente da República".

Nesta quarta, o presidente da Câmara negou que sua mensagem na rede social tenha sido uma tentativa de criar conflito com o presidente, com quem trocou farpas publicamente, e afirmou que está junto com Bolsonaro para aprovar a reforma da Previdência.

"Deixo claro que fiz apenas uma ressalva respeitosa. Não tenho nenhum interesse no conflito com o presidente. Precisamos estar juntos para aprovar a Nova Previdência", escreveu Maia.

Reuters Reuters - Esta publicação inclusive informação e dados são de propriedade intelectual de Reuters. Fica expresamente proibido seu uso ou de seu nome sem a prévia autorização de Reuters. Todos os direitos reservados.
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade