0

Agricultura declara estado de emergência no RS e em SC

Em nota divulgada nesta quarta, 24, o ministério disse ser 'pouco provável' que os insetos cheguem ao Brasil, mas que discute estratégias para um eventual surto da praga no País

25 jun 2020
04h50
atualizado às 07h42
  • separator
  • 0
  • comentários
  • separator

A ministra da Agricultura, Tereza Cristina, declarou estado de emergência fitossanitária pelo risco de surto da praga de gafanhotos nos Estados do Rio Grande do Sul e Santa Catarina. A medida foi publicada no Diário Oficial da União desta quinta-feira, 25, "para implementação do plano de supressão da praga e adoção de medidas emergenciais".

Na segunda-feira, autoridades da Argentina informaram que uma nuvem de gafanhotos levantou voo na província de Corrientes e poderia atravessar a fronteira com o Rio Grande do Sul.
Na segunda-feira, autoridades da Argentina informaram que uma nuvem de gafanhotos levantou voo na província de Corrientes e poderia atravessar a fronteira com o Rio Grande do Sul.
Foto: Reprodução / Estadão Conteúdo

A portaria diz que as diretrizes e medidas a serem adotadas ainda vão ser anunciadas pelo Ministério da Agricultura. O prazo de vigência é de um ano.

Em nota divulgada nesta quarta-feira, 24, o ministério afirmou ser pouco provável - até o momento - que a nuvem de gafanhotos que está em movimento na Argentina avance em território brasileiro. Segundo a pasta, os insetos estão em deslocamento para o sul da Argentina, em direção ao Uruguai.

No comunicado, o ministério disse que os gafanhotos da espécie Schistocerca cancellata, que compõem a nuvem da Argentina, já infestaram o Brasil em 1938, 1942 e 1946 e alcançaram os estados do Rio Grande do Sul, Paraná, Santa Catarina e Minas Gerais.

O ministério disse que acompanha o monitoramento da movimentação dos gafanhotos e que trabalha em conjunto com as equipes técnicas das Superintendências Federais de Agricultura e dos órgãos estaduais de Defesa Agropecuária nos estados do Paraná, Rio Grande do Sul e Santa Catarina, assim como as unidades de vigilância agropecuária do Ministério localizadas na fronteira com o Rio Grande do Sul.

Veja também:

Bolsonaro faz novo exame para detectar covid-19
Estadão
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade