PUBLICIDADE

BBB24 dá aula de como brancos e negros são tratados de maneiras distintas

Se Davi fosse branco, seria tão grande quanto Juliette, assim como se Fernanda fosse negra teria sofrido como Karol Conká

5 abr 2024 - 15h33
Compartilhar
Exibir comentários
Davi é um jogador completo e não deixou de ser o centro do BBB24 nem por um segundo sequer
Davi é um jogador completo e não deixou de ser o centro do BBB24 nem por um segundo sequer
Foto: Reprodução/Globo

Preto incomoda. Não tem jeito. Preto incomoda tanto que muita gente preferiu torcer para Fernanda, uma branca bolsonarista, classe média e equivocada convicta a ceder sua torcida para um homem negro. Por isso que, hoje, vemos nas redes sociais várias pessoas de esquerda tentando imputar crimes ao Davi, o difamando para que quando ele deixar o programa não tenha uma boa recepção e nunca o comparando com grandes nomes como Gil do Vigor e Juliette. Ao invés disso, tentam equiparar o brother à Amanda e ao Arthur.

Ainda nesse campo da comparação, acredito que nessa nova fase do BBB, que se iniciou no dia 20, o único participante que se iguala a Davi chama-se Gil. Ambos são jogadores completos. A “pequena” diferença é que o Gil do Vigor tinha ao seu lado um elenco que colaborava para o desenvolvimento do programa. Não podemos esquecer que no BBB21 tivemos Karol Conká, Lucas Penteado, Juliette, Lumena, Nego Di, Projota e muito mais.

Já nesse ano, pudemos ver com clareza que Davi não deixou de ser o centro do programa nem por um segundo sequer. Até teve momentos pontuais de outros embates, mas quem sustentou o programa - e sustenta até hoje - é o Davi.

Quando o comparamos com os dois últimos campeões fica até chato. Há um abismo de diferença entre eles, sobretudo de entrega. Amanda não era uma pessoa de falas problemáticas, apesar de ter taxado Fred Nicácio de agressivo no primeiro jogo da discórdia, porém não entregava nada em relação a jogo, nem em treta, nem romance. Nada!

Arthur teve ali seu enredo: sempre esperou o contato, nunca foi atrás de nada. Se não fosse Jade Picon, dificilmente ele se tornaria favorito. Como já disse, bem diferente de Davi que ia atrás da treta, batia de frente, fala olhando no olho e, por tratar camarote de igual para igual, acabou sofrendo na mão dos camarotes.

Sim, ele teve falas erradas, mas sempre que foi apontado, recuou e não repetiu. Isso vale tanto para a homofobia, quanto para o “psiu” que não é mandar as pessoas calarem a boca. Mesmo assim ele parou de fazer isso, que era uma mania de anos e anos.

Diferente da Fernanda, que tinha várias falas erradas e jamais recuou diante delas, muito pelo contrário, achava lindo e foi carregada nos braços do mesmo público que detonava Karol Conká.

Raquelle foi menos planta que Amanda do BBB23, Fred Nicácio foi vítima do BBB23 e, ainda hoje, tentam silenciá-lo só porque seu companheiro é branco. Alface e Black, no ano passado, sofreram na mão de uma mulher branca famosa e essa ainda chegou na final do programa e fez coisas bem piores do que a Leidy, por exemplo, que mesmo após sua saída do programa segue sendo perseguida nas redes.

Isso é uma cobrança à torcida do Davi, a qual também faço parte. Deixem Leidy em paz, uma mulher, preta e periférica que teve seus erros, sim, mas está sendo mais perseguida do que a Wanessa Camargo. Essa, sim, foi péssima dentro do programa, com falas pesadíssimas, ar de soberba, só curtia os que a bajulavam. Saiu, admitiu erro e, menos de uma semana depois, retirou o pedido de desculpas e, mesmo assim, não se vê tal cobrança com ela.

O reality nunca irá mudar nada de forma substancial. BBB não é reforma agrária, BBB não é lei de cotas e BBB não é trabalho de base. Contudo, não dá para negar que os meios de massa e os produtos das indústrias culturais refletem uma parcela da sociedade. Sabe aquele papo que o preto tem que ser 10 vezes melhor que um branco para ocupar o mesmo espaço? Pois é, vimos exatamente isso nesse BBB.

Tirando suas falas erradas, Davi deu vida ao programa. Programa que estava desacreditado depois das duas últimas edições. E, mesmo ele sendo esse jogador excepcional, sofre perseguições nunca vistas antes, a maioria delas vinculadas ao racismo.

Davi vai ganhar essa edição do reality, mas é possível que ele tenha um péssimo 'pós-programa' graças a essas pessoas que ainda não engoliram um pobre, preto, baiano, da periferia ocupar o espaço que a maioria acha que é reservado para branco.

Que, no futuro, pessoas negras equivocadas tenham a mesma condescendência que Fernanda teve, que pessoas negras “plantas” tenham a chance de ficar milionária assim como Amanda e que pessoas pretas jogadoras, protagonistas e que enchem o bolso da Globo de dinheiro, tenham a chance de ter uma edição mais honesta, diferente da última quinta-feira, 4, que não mostrou Paulo Ricardo ignorando Davi e o brother ser abraçado pelo público de maneira unânime, assim como Juliette.

Fonte: Redação Nós
Compartilhar
Publicidade
Publicidade