PUBLICIDADE

Dark Envoy: Director's Cut combina estratégia e RPG ao estilo Divinity

Game da Event Horizon é boa pedida para fãs de Baldur's Gate que buscam um desafio adicional

28 mai 2024 - 10h43
Compartilhar
Exibir comentários
Dark Envoy não vai te conquistar pelos gráficos das cutscenes, mas pelo combate tático
Dark Envoy não vai te conquistar pelos gráficos das cutscenes, mas pelo combate tático
Foto: Event Horizon / Divulgação

Dark Envoy é um RPG tático, com mecânicas clássicas do gênero e uma ambientação que mistura fantasia e armas de fogo - algo na linha de cenários conhecidos como 'dungeonpunk', digamos assim.

Disponível para PC, o jogo da produtora Event Horizon ganhou recentemente uma bela repaginada com sua Director's Cut, que trouxe muitas melhorias baseadas no feedback dos jogadores.

Em Dark Envoy, o jogador lidera um grupo de caçadores de relíquias numa aventura de proporções épicas através de um mundo em conflito entre a evolução tecnológica das armas de fogo e o domínio das artes arcanas. É um cenário muito bem bolado - a construção do mundo é um dos pontos altos do game e que certamente vai conquistar os jogadores - desde que não tenham dificuldade com o idioma inglês, pois o jogo não tem legendas, menus ou nenhum tipo de texto em português.

Combate é o ponto alto

O game combina mecânicas clássicas de RPG com um sistema de combate baseado em habilidades, que permite múltiplas combinações envolvendo as classes e especializações dos personagens, assim como o uso inteligente do cenário durante as batalhas. Há várias classes disponíveis para os personagens dos jogadores, como guerreiro, patrulheiro, adepto e engenheiro. Essas últimas refletem o tema geral do game e são bem divertidas. Conforme progride, há muitas opções de personalização, com novas vantagens, habilidades para aprimorar e um sistema de sinergia entre os membros do grupo.

Entre os inimigos que surgem pelo caminho há elfos e kranites, focados em ataques rápidos e implacáveis, a infantaria imperial, focada em defesa e acompanhada de construtos blindados, e coisas piores, como as sombras e aparições que são encontradas nas masmorras e tumbas que o jogador inevitavelmente vai explorar.

Guerreiros e magos lutam lado a lado com construtos blindados e pistoleiros
Guerreiros e magos lutam lado a lado com construtos blindados e pistoleiros
Foto: Event Horizon / Divulgação

De forma geral, a progressão e as mecânicas de exploração e diálogo lembram a série Divinity, da Larian, mas bem mais simples. Não espere a complexidade de um Baldur's Gate 3 ou de um Original Sin e você vai se divertir. E assim como nestes dois jogos, é possível jogar a campanha em modo cooperativo online com mais um amigo.

O sistema de combate é o ponto alto do jogo, com várias formas de se usar os terrenos, inclusive construindo muros e controlando fontes de vida e mana (o combustível das magias) no campo de batalha, uso de cobertura e a capacidade de desenhar a trajetória dos feitiços à mão. Não há um 'grid' de batalha, mas sim um sistema vetorial, ao estilo de Marvel's Midnight Suns. Com pensamento tático e personagens evoluídos, você vai passar boas horas se divertindo nas batalhas de Dark Envoy.

Considerações

Dark Envoy: Director's Cut - Nota 7
Dark Envoy: Director's Cut - Nota 7
Foto: Game On / Divulgação

Dark Envoy: Director's Cut não é tão sofisticado ou complexo quanto um Divinity: Original Sin, Warhammer 40K: Rogue Trader ou Baldur's Gate 3, mas é diversão garantida para quem curte RPGs táticos e está em busca de um cenário diferente para suas aventuras.

Dark Envoy: Director's Cut está disponível para PC.

*Esta análise foi feita no PC, com uma cópia do jogo gentilmente cedida pela Event Horizon.

Fonte: Game On
Compartilhar
Publicidade
Seu Terra












Publicidade