PUBLICIDADE

Análise: Humankind repete fórmula viciante nos consoles

Jogo da Amplitude traz disputas estratégicas ao longo da História, mas controles poderiam ser simplificados

16 set 2023 - 14h53
Compartilhar
Exibir comentários
Construa seu império através dos milênios da História em Humankind
Construa seu império através dos milênios da História em Humankind
Foto: Amplitude Studios / Divulgação

Lançado em 2021 para PC, Humankind é um jogo de estratégia por turnos, bem ao estilo de Civilization, mas com ideias e mecânicas originais o bastante para garantir seu espaço no disputado gênero dos jogos 4X. Dois anos depois, o game da Amplitude Studios chegou aos consoles (com lançamento direto no Xbox Game Pass).

Participe do Circuito Game On de Valorant e concorra a R$ 5 mil e bolsas de estudo! Inscreva-se no Discord do Game On!

Sua temática e mecânicas continuam as mesmas: um simulador de civilizações históricas com gerenciamento de recursos e partidas por turnos. No game, o jogador gerencia a evolução de um império através das eras da História, indo da pré-história ao mundo atual. São sete períodos jogáveis: Neolítico, Antiguidade, Clássico, Moderno, Industrial e Contemporâneo.

O legal é que você não fica restrito a uma única civilização durante todo o jogo: cada era permite mudar entre 10 culturas distintas, relevantes para aquele período específico, com seus próprios bônus, preferência e características, o que amplia bastante as possibilidades estratégicas e o replay do game.

Adaptação para consoles

Como em outros games originalmente jogados com mouse e teclado, os controles da versão para consoles são determinantes para definir a qualidade da adaptação.

Humankind usa diversas combinações de botões para acessar os muitos menus do jogo. Mover o cursor pela tela e pressionar um botão para posicionar suas unidades pelo mapa é simples, mas para abrir a tela de eventos ou a aba das tecnologias, ou checar o progresso das construções na sua capital, envolve combinações de setas direcionais e botões.

Em cada era da partida, o jogador pode optar por adotar uma nova Cultura
Em cada era da partida, o jogador pode optar por adotar uma nova Cultura
Foto: Amplitude Studios / Divulgação

Não são poucas combinações, que acabam distraindo o jogador do que deveria ser o foco de sua atenção, as atividades que sua civilização escolhida está realizando em sua busca pela vitória sobre os outros povos, as escolhas morais e filosóficas que devem ser feitas no papel de líder, ou mesmo os pequenos detalhes dos belos mapas em que os turnos se desenrolam.

Humankind tem um sistema de gerenciamento bem mais enxuto do que seu rival direto, Civilization, mas a Amplitude poderia ter adaptado essa mentalidade para os controles: Age of Empires e Halo Wars fazem isso muito bem, com menus radiais e botões contextuais que simplificam a execução de ordens, ao invés de complicá-las.

Considerações

Humankind (Consoles) - Nota: 7
Humankind (Consoles) - Nota: 7
Foto: Reprodução / Game On

Se você conseguir relevar ou se acostumar aos controles de Humankind no console, vai encontrar um jogo de estratégia de ótima qualidade, com ideias originais e mecânicas de turno viciantes.  É fácil passar horas gerenciando o crescimento do seu império através dos séculos, mas seria melhor se parte desse tempo não fosse gasto checando qual a combinação de botões que leva para cada menu ou atividade.

Além do PC, Humankind está disponível para PlayStation 4, PlayStation 5, Xbox One e Xbox Series X/S.

*Esta análise foi feita no PS5, com uma cópia do jogo gentilmente cedida pela Amplitude Studios.

Fonte: Game On
Compartilhar
Publicidade
Publicidade