0
MMA

Rafael dos Anjos vence no card principal e segue em alta no UFC

18 nov 2012
02h10
atualizado às 04h10
  • separator
  • 0
  • comentários

O brasileiro Rafael dos Anjos fechou com chave de ouro um ótimo ano no UFC. Neste sábado, em Montreal, ele enfrentou o canadense Mark Bocek, superou a torcida contra e venceu por decisão unânime dos juízes. Com isso, ele ficou com três vitórias seguidas em 2012 e se firmou entre os principais atletas da categoria dos leves. É provável que em 2013 ele recebe a chance de enfrentar um lutador top 10 da categoria.

Rafael dominou a luta e não deu chances para qualquer reação de Bocek
Rafael dominou a luta e não deu chances para qualquer reação de Bocek
Foto: Getty Images

A luta entre Rafael e Bocek aconteceu no card principal, mas na verdade deveria ter sido realizada no preliminar - o americano Nick Ring teve problemas médicos após a pesagem da última sexta, e o duelo entre ele e o cipriota Constantinos Philippou foi cancelado. Com isso, aumentou a visibilidade da luta vencida por Rafael dos Anjos, que soube aproveitar a oportunidade para seguir em alta no UFC.

Determinado a derrubar o brasileiro, Bocek fracassou nas tentativas de levar a luta para o chão no começo. Rafael preferiu se manter em pé e até acertou esporádicos socos no canadense, mas sem consequências mais graves. Depois, logo no começo do segundo round, Bocek acertou um golpe baixo em Rafael, o que fez a luta ser interrompida. Quando voltaram a se enfrentar, os lutadores foram para o chão e com o brasileiro por cima. Bocek mostrou sinais de cansaço e saiu com um ferimento no olho esquerdo.

No terceiro round o canadense teve que partir para o ataque, mas fracassou mais uma vez ao tentar levar a luta para o chão. Rafael soube se defender e mostrou superioridade mais uma vez. Nos segundos finais ainda houve tempo para o brasileiro arriscar golpes ousados e dar show contra o canadense, que sequer esboçou reação. Como não poderia deixar de ser, no final os juízes decretam a vitória do brasileiro, para decepção do público local.

Veja outros resultados do card principal do UFC 154:

Johny Hendricks vence Martin Kampmann

Na segunda luta mais importante do dia, o americano Hendricks fez o principal espetáculo do card principal. Ele entrou com mais agressividade no octógono e, com apenas um soco, nocauteou Kampmann. Após apenas 45s de estudos, ele acertou um jab de esquerda que fez o dinamarquês cair imediatamente. O juiz interrompeu, Hendricks partiu para a comemoração e, na entrevista após a luta, já pediu uma chance de lutar pelo cinturão dos meio-médios.

Francis Carmont vence Tom Lawlor 

Experiente, o americano Lawlor evitou ficar na trocação de socos com Carmont e tentou derrubá-lo. Ele demorou para conseguir, mas soube aproveitar a oportunidade - encaixou uma guilhotina e por pouco não venceu a luta por finalização. Considerado favorito e com mais envergadura, o francês começou a reagir no segundo round e até sofreu mais uma guilhotina, mas dessa vez com menos perigo. No terceiro e decisivo round houve muito cansaço e pouco ataque, por isso a decisão foi para os juízes - Carmont foi declarado o vencedor por decisão dividida.

Pablo Garza vence Mark Hominick

A primeira luta do card principal foi um duelo de atletas em busca de recuperação, pois ambos vinham de sequências de derrotas. E ambos mostraram bastante vontade de voltar a vencer, já que fizeram um primeiro round cheio de emoções. Primeiro trocaram socos e chutes de forma aberta, até que o canadense Hominick derrubou seu adversário. Porém, mesmo por baixo, Garza encaixou uma chave de braço e quase venceu por finalização. Depois aconteceu mais uma boa sequência de socos de Hominick, que sofreu contra-ataques e terminou o round com um corte feio no rosto.

A luta continuou agressiva no segundo round, mas dessa vez com mais vantagem para Garza. Ele derrubou seu adversário, ficou por cima e acertou diversos golpes no canadense. Hominick tentou reagir na base do jiu-jitsu, mas não conseguiu sair do chão e acumulou novos ferimentos no rosto. O terceiro round se tornou decisivo e, com mais uma boa atuação na luta de chão, Garza levou a melhor. Ele não conseguiu o nocaute, mas foi declarado o vencedor por decisão unânime dos juízes, para tristeza dos canadenses na torcida.

Fonte: Terra
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade