4 eventos ao vivo

'Os clubes deveriam manter os jogadores isolados por 15 dias', diz diretor médico da FPF

Moisés Cohen afirma ser impossível estabelecer prazos para times voltarem e prevê partidas com portões fechados

22 abr 2020
07h11
atualizado às 07h56
  • separator
  • 0
  • comentários
  • separator

O Campeonato Paulista será retomado com uma série de cuidados para os jogadores e bem provavelmente sem a presença de torcida nos estádios. Em entrevista ao Estado, o diretor médico da Federação Paulista de Futebol (FPF), Moisés Cohen, não estipula prazos para a volta do futebol, mas revelou que a entidade vai divulgar em breve um protocolo de cuidados para os clubes retornarem ao trabalho após o período mais crítico da pandemia do novo coronavírus. A cartilha de recomendações será redigida em conjunto com os médicos das equipes e vai contemplar detalhes sobre a rotina de treinamentos e até a possibilidade de os atletas utilizarem máscaras nas atividades.

Quais serão os cuidados necessários para os times voltarem aos treinos?

Estamos fazendo um protocolo de orientação da FPF para os clubes paulistas para a volta do campeonato. Este é objetivo. A única coisa que não sabemos é quando será esse retorno. Essa é a pergunta principal. Nós elaboramos alguns cuidados que vão desde a avaliação e os testes que deverão ser feitos antes dos jogadores se reapresentarem, depois haveria uma nova bateria de testes durante essa fase e 15 dias depois ainda mais um último teste.

Moisés Cohen, diretor médico da Federação Paulista de Futebol (FPF), prepara cartilha de prevenção para os clubes
Moisés Cohen, diretor médico da Federação Paulista de Futebol (FPF), prepara cartilha de prevenção para os clubes
Foto: Divulgação/ Instituto Cohen / Estadão

Em termos de treinamento, o que os clubes poderão fazer com os jogadores?

Nossa orientação será para se fazer um trabalho primeiramente individual, depois num grupo e na sequência, coletivo. Tudo isso demandaria de 15 a 20 dias. Do momento em que eles retornarem, não teria campeonato dentro desses 15 a 20 dias. Temos de orientar também quem trabalha no clube, de comissão técnica até o pessoal da manutenção. A orientação é que todos voltem com o número mínimo de funcionários e seguindo todos os cuidados dos órgãos governamentais: uso de máscaras, luvas para quem for utilizar alimentos...

Os jogadores teriam de usar máscaras?

É uma coisa para se discutir. No meu plano original, você teria de isolar as pessoas por 15 dias no mesmo lugar, como se fosse um regime de concentração utilizado para a Copa do Mundo, e cercado de cuidados de limpeza. Mas aí obviamente cada um tem a sua realidade. Tem clube que não tem como abrigar os atletas no centro de treinamento ou os funcionários da cozinha não teriam como ficar confinados. Um plano alternativo seria o atleta vir, usar máscara e ser muito bem orientado no sentido de voltar para casa e continuar com os mesmos cuidados para não ser um transmissor. A FPF não poderia se responsabilizar por isso. Nosso protocolo seria um guia de orientação. Mas não tem como vigiar se o atleta está seguindo, se é obediente, se não foi à noite em alguma festa com muita gente. Não tem como controlar. Isso fica como responsabilidade do atleta.

Quem realizaria os testes?

Esta é outra questão. Quem paga a conta? Esses testes não estão fáceis, porque tem alta demanda e o preço foi lá para cima. Mas isso vai regularizar. Obviamente que os importadores estão trazendo isso de outros países. A outra parte é saber quem paga. Por enquanto não foi discutido se será o atleta, o clube, a FPF ou a CBF. Mas as condições mínimas, vamos colocar para os clubes seguir. Se nenhum clube fizer, fica complicado. O campeonato fica comprometido. Em uma partida, o jogador poderá contaminar o companheiro do outro time. São muitas variáveis.

E quais os cuidados com os árbitros?

Vale a mesma coisa. É até menos difícil. Na minha cabeça, esse momento está longe. Se você me fizer meia dúzia de perguntas, eu não saberei te responder cinco. O importante é passar a mensagem que estamos com o radar ligado, que quando for o momento de voltar, já estaremos preparados e estudados sobre o assunto. Nos últimos dias, entrei em contato com colegas de outros países. Todos estão em compasso de espera. Por mais que o Bayern e outros times alemães tenham começado o trabalho com treinos individualizados, a grande maioria do mundo ainda aguarda.

Os jogos serão com os portões fechados mesmo?

Em um primeiro momento, com todos esses cuidados sendo tomados, será com portões fechados, sem sombra de dúvidas. Isso vale até segunda ordem. As informações de que tratamos são muito variáveis. O que é verdade hoje pode não ser a verdade daqui uma semana. Tudo muda muito rápido.

Veja também:

Veja os brasileiros com mais gols na elite europeia nesta temporada
Estadão
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade