PUBLICIDADE

Bahia nega volta de público aos estádios e cria impasse

Conselho técnico, nesta terça-feira, deve determinar rumos e propor alternativas para que o Brasileirão volte a ter torcedores nas arquibancadas

27 set 2021 18h25
| atualizado às 18h34
ver comentários
Publicidade

O governo da Bahia se colocou contrário à liberação de entrada de torcedores nos estádios. Enquanto os demais estados representados na Série A do Campeonato Brasileiro autorizaram o retorno de público, o governador Rui Costa argumenta que o aumento de casos do novo coronavírus registrados na última semana no estado impede que os torcedores voltem a frequentar os jogos de futebol.

Foto: Jhony Pinho/Agif / Gazeta Press

"Não haverá anúncio de jogos com público essa semana. Seria um contrassenso da minha parte. Como disse dez dias atrás, se vocês prestarem atenção na minha declaração, eu disse que estava analisando a abertura de público nos estádios. Cheguei a dizer isso publicamente uma ou duas vezes. Mas passados dez dias, naquela data que falei estava com dois mil casos ativos. Se hoje estivesse com 1.300, provavelmente estaria anunciado a abertura de público nos estádios. Mas ocorreu o contrário. Eu tinha dois mil, aumentou para 2.700. Seria um contrassenso eu anunciar hoje a abertura de público no estádio", explicou o governador baiano, que, nas redes sociais, confirma um aumento de 40% no número de casos.

Na última quinta-feira, João Doria, governador de São Paulo, anunciou que, a partir de 4 de outubro, os torcedores voltarão a frequentar os estádios paulistas. A princípio, apenas 30% dos assentos estarão liberados. O percentual vai aumentando gradualmente. No dia 16, será ampliado para 50%, até que, em 1º de novembro, alcance os 100%.

Os clubes brasileiros estão discutindo há algumas semanas a reabertura dos estádios. Atlético-MG e Flamengo foram os primeiros a receberem torcida em seus jogos em torneios internacionais. O cenário nacional, no entanto, é diferente e contou com disputas na justiça desportiva (STJD).

Diante da negativa do governo baiano, resta aos clubes propor alternativas que agradem o Bahia e não voltem a causar atritos políticos, como foi visto no caso do Flamengo. Uma das possibilidades é o time tricolor jogar em outro estado do Nordeste em que o ingresso de torcedores já esteja autorizado. Algumas equipes devem sugerir que, enquanto o Bahia não possa ter público em seus jogos, quando atue como visitante, também encontre estádio vazio.

Essa possibilidade afeta diretamente o Corinthians, que esperava receber público na Neo Química Arena já no dia 5 de outubro, quando recebe justamente o Bahia, às 21h30. O adiamento da volta de torcedores ainda não é dado como certo e pode ser revertido nos próximos dias, de acordo com avanço das negociações entre clubes e a CBF. Nesta terça-feira, uma reunião do Conselho Técnico dos clubes da Série A deve esclarecer quais os próximos passos.

Estadão
Publicidade
Publicidade