PUBLICIDADE

Haas vê dificudades como aprendizado para novatos na F1: "Melhor que mimar"

A Haas sofreu muito com os estreantes Nikita Mazepin e Mick Schumacher ao longo da temporada 2021. Para o chefe Guenther Steiner, as dores do primeiro ano fazem parte do processo de evolução na Fórmula 1

23 jan 2022 12h59
ver comentários
Publicidade
A dupla da Haas terminou a temporada 2021 zerada na tabela de pontos
A dupla da Haas terminou a temporada 2021 zerada na tabela de pontos
Foto: Haas / Grande Prêmio

BOTTAS POUCO REBELDE MOSTRA FALTA DE AMBIÇÃO NA F1

A Haas não teve vida fácil em 2022. Em fase de total mudança, contou com os novatos Nikita Mazepin e Mick Schumacher no grid, mas ambos pouco conseguiram fazer com o fraco carro do time. Com isso, nenhum ponto foi marcado e a lanterna na classificação do Mundial de Construtores refletiu a decepção interna. Guenther Steiner, porém, acredita que foi melhor assim, para que a dupla aprendesse com os próprios erros.

Em entrevista ao site Autosport, o chefe da Haas afirmou que a presença dos dois estreantes foi uma experiência para a equipe e que ambos mostraram sinais de evolução na reta final do certame, mesmo com erros e acidentes.

"Nós sabíamos o que estava sendo feito. Você aprende e se dá conta de como esses rapazes são novos, de como são inexperientes e como precisam de ajuda. Algumas coisas, eles precisam aprender sozinhos, não podemos ensiná-los. Pode guiar, mas não contar tudo", disse Steiner.

Haas terminou o ano sem pontos e com muitos problemas (Foto: Haas F1 Team)

▶️ Inscreva-se nos dois canais do GRANDE PRÊMIO no YouTube: GP | GP2

"Aprender do jeito mais difícil é melhor do que mimar. Com o carro pouco competitivo, isso foi mais tranquilo porque não precisávamos dos pontos. Em 2022, queremos pontuar novamente, mas eles aprenderam muito com os erros. A única coisa boa é que eu não fiquei chateado, não tínhamos muito a perder", seguiu.

Steiner ainda comentou que precisou mudar a mentalidade de Schumacher e Mazepin ao longo do campeonato, especialmente para que trabalhassem juntos dentro do time.

"No começo da temporada, eles brigavam entre si e eu falei 'caras, vocês estão lutando pelo 19º lugar'. Isso não acrescenta nada para a equipe. Em algum momento, entenderam que a F1 não é apenas superar o outro piloto", declarou o dirigente.

Acesse as versões em espanhol e português-PT do GRANDE PRÊMIO, além dos parceiros Nosso Palestra e Teleguiado.
Grande Prêmio
Publicidade
Publicidade