PUBLICIDADE
URGENTE
Saiba como doar qualquer valor para o PIX oficial do Rio Grande do Sul

F1: China mostra o melhor e o pior do Red Bull RB20

Fim de semana diferente pela Sprint reforça qualidades e o principal problema do Red Bull RB20

20 abr 2024 - 23h20
Compartilhar
Exibir comentários
Verstappen no GP da China: mostrando o melhor e o pior do RB20
Verstappen no GP da China: mostrando o melhor e o pior do RB20
Foto: Red Bull Content Pool

Que o Red Bull RB20 é o carro a ser batido este ano, não resta dúvida desde a pré-temporada no Bahrein. Como bem falou Adrian Newey tempos atrás, ele é uma evolução do RB18, que, salvo o excesso de peso inicial, se mostrou um carro competitivo desde o início.

Até agora, a Red Bull não trouxe grandes mudanças para o carro (na China, o carro veio intocado). Diz-se que um pacote mais substancial deverá vir em Imola. Todo caso, o RB 20 é um matador, especialmente nas mãos de Max Verstappen.

O GP da China, com o seu formato diferente por conta da Sprint Race e a restrição de dados pelos 5 anos de ausência, acabou por limitar o trabalho dos times. E neste caso específico, acabou por mostrar sim o lado forte do RB20 e aquele que traz dor de cabeça aos taurinos...

Nas últimas semanas, alguns veículos trouxeram falas de Adrian Newey sobre algumas de suas filosofias para o desenvolvimento de carros. E uma delas é que o carro deve ser uma situação ótima de desempenho no maior numero de locais. Se o RB19 já se encaixava aqui, o RB20 é um passo à frente.

O time técnico capitaneado por Newey e Waché busca que o RB20 tenha um desempenho mais estável em relação ao comportamento aerodinamico. Aqui, não entra somente o desenho do carro, mas especialmente as suspensões. Como falamos, este é um dos pontos que se sobressai. E Newey puxa sempre a história do teste da Fittipaldi com Rosberg, quando trocou os amortecedores por buchas de borracha e o carro quicava loucamente...

Ao longo do tempo, foi se vendo que o importante era ter um comportamento não tão oscilante em termos aerodinamicos. Isso é um contraste incrível com a Mercedes, que busca uma posição mais extrema, com o carro extremamente baixo. Assim, a janela de funcionamento é extremamente apertada. Não é a toa que a Mercedes teve que subir o carro e assim perdeu carga aerodinâmica.

Não vimos a Red Bull no alto das velocidades máximas. Porém, o DRS ainda é o mais eficiente do grid e o ganho tem sido nas curvas. Aqui entra a eficiencia do pacote e os pilotos estão conseguindo otimizar. Em especial um certo neerlandês... 

Porém, o GP chinês mostrou um problema que já assolava a Red Bull e parece ser pior neste RB20: o aquecimento de pneus. Com uma pista pouco abrasiva e baixas temperaturas, vimos o carro ter problemas para botar os pneus na temperatura certa de funcionamento. Na Sprint Race, isso ficou claro: a chuva atrapalhou a aquecer os compostos de chuva e na corrida em sim. Aparentemente, houve uma questão na bateria. Mas quando se solucionou e os pneus esquentaram...ninguém segurou Verstappen. Em outro estágio, aconteceu o mesmo com Perez...

A Red Bull já mostrou que não dorme sobre os louros da vitória. Os próximos pacotes deverão tratar disso e a concorrência já começa a tremer...

Parabólica
Compartilhar
Publicidade
Publicidade