PUBLICIDADE

Veremos sistemas como Pix em quase todos os países em cinco anos, diz presidente do Nubank

Segundo David Vélez, disseminação de sistemas de pagamento instantâneo pelo mundo vai ampliar significativamente o mercado potencial de bancos digitais

12 jun 2024 - 21h41
Compartilhar
Exibir comentários

RIO - O fundador e presidente do Nubank, David Vélez, disse acreditar que em cinco anos haverá sistemas de pagamento instantâneo em praticamente todos os países do mundo, o que vai ampliar significativamente o mercado potencial de bancos digitais, visto que esses sistemas devem exigir uso de aplicativos bancários, caso do Pix no Brasil.

"A maior revolução é que, daqui a cinco anos, veremos sistemas como o Pix em praticamente todos os países do mundo. Estaremos aumentando o mercado endereçável em 2 bilhões de pessoas. Imagine o mercado de crédito que estará disponível. Estamos vendo um enorme potencial em termos de acesso a crédito. São mais empresas a serem criadas, mais consumo, mais investimentos", disse.

Ele falou nesta quarta-feira, 12, no Rio de Janeiro, durante o "Invest in Dignity", evento do Future Investment Initiative (FII) Institute, organização sem fins lucrativos apoiada pelo Fundo Soberano da Arábia Saudita (FIP) e 30 empresas globais.

"Quando não tem mais pagamento em espécie, e sim digital, você acaba criando uma entrada (para bancarização) e pode começar a oferecer mais crédito. Por exemplo, a penetração de cartão de crédito no México é de 12%; na Indonésia, de 4%; nas Filipinas, de 3%. Quando analisamos os mercados emergentes, eles não têm mercado de crédito. O crédito não existe. Na verdade, existe, mas com tubarões de empréstimos, em que as pessoas pagam 10% de juros a amigos e familiares", continuou Vélez.

Para David Vélez, Brasil tinha a condição 'perfeita' para a entrada do Nubank
Para David Vélez, Brasil tinha a condição 'perfeita' para a entrada do Nubank
Foto: Alex Silva/ Estadão / Estadão

O executivo elogiou o movimento recente do mercado brasileiro puxado por Pix e disse que o Brasil tinha a condição "perfeita" para a entrada do Nubank: questão demográfica, ou seja, uma população grande, além de ser a capital das mídias sociais no mundo, ter bom potencial de uso de tecnologia e um mercado com cinco grandes bancos, que dominavam 85% do mercado, mas com grande parte da população fora do sistema bancário.

"O Brasil tinha a 'tempestade perfeita' em termos de pegar essa tese global (de digitalização bancária) e acelerá-la", concluiu.

Estadão
Compartilhar
TAGS
Publicidade
Seu Terra












Publicidade