PUBLICIDADE

Dólar se aproxima de R$5,80 após decisão de Fachin

O receio de investidores de que o governo enverede por um caminho mais populista aumentou nas últimas semanas

8 mar 2021 16h06
| atualizado às 16h35
ver comentários
Publicidade

O dólar já vinha em alta e disparou no meio da tarde desta segunda-feira, pulando cerca de 5 centavos de real em três minutos, depois da notícia de que o ministro Edson Fachin, do Supremo Tribunal Federal (STF), anulou todas as condenações impostas ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva pela 13ª Vara Federal de Curitiba no âmbito da operação Lava Jato.

Notas de dólar e real. 10 de setembro de 2015. REUTERS/Ricardo Moraes
Notas de dólar e real. 10 de setembro de 2015. REUTERS/Ricardo Moraes
Foto: Reuters

Assim, Lula ficaria elegível para a eleição presidencial de 2022. A decisão de Fachin será posteriormente avaliada pelo plenário do STF.

No fim de semana, a imprensa publicou levantamento do Inteligência em Pesquisa e Consultoria (Ipec) segundo o qual Lula teria mais potencial de voto do que Bolsonaro.

"Com Lula elegível, cresce ainda mais a chance deste governo ir totalmente para o populismo", comentou Alfredo Menezes, sócio-gestor na Armor Capital.

O receio de investidores de que o governo enverede por um caminho mais populista aumentou nas últimas semanas, depois de uma série de episódios em que, para o mercado, o presidente Jair Bolsonaro agiu deixando de lado princípios de uma política econômica liberal.

Destaque para a decisão do presidente de trocar o comando da Petrobras e os alertas feitos por ele de atuação em outras estatais e setores da economia, como energia.

Às 16h17, o dólar à vista saltava 1,56%, a 5,7724 reais na venda. Na máxima, foi a 5,7865 reais, alta de 1,80%.

O real tem o segundo pior desempenho global na sessão com as perdas lideradas pela lira turca (-2,7%).

Reuters Reuters - Esta publicação inclusive informação e dados são de propriedade intelectual de Reuters. Fica expresamente proibido seu uso ou de seu nome sem a prévia autorização de Reuters. Todos os direitos reservados.
Publicidade
Publicidade