PUBLICIDADE

Conheça histórias de profissionais de TI que trocaram o Brasil pela Europa e pelos EUA

Disputados pelo mercado, brasileiros da área de Tecnologia da Informação deixam o País para trabalhar em multinacionais e startups

2 dez 2019 08h53
ver comentários
Publicidade

Escassos e disputados pelo mercado, profissionais brasileiros da área de Tecnologia da Informação (TI) têm deixado o País e procurado trabalho na Europa, onde grandes multinacionais e pequenas startups tentam revolucionar a tecnologia. Reportagem do Estadão mostrou que, na Suécia, o número de vistos concedidos para brasileiros atuarem na área saltou de 15, em 2014, para 126 no acumulado deste ano.

Atraídos, principalmente, pela possibilidade de trabalhar em importantes polos de tecnologia e pela qualidade de vida, os profissionais recorrem às redes sociais para encontrar uma vaga. Por outro lado, lamentam a falta de oportunidades no País. "O Brasil desenvolve engenheiros bons, mas não tem empresas de tecnologia de ponta. Para que haja (companhias que criam novas tecnologias), é preciso grandes investimentos", diz a engenheira Andressa Kalil, que está na Europa desde 2011. Confira a seguir, a história de alguns desses brasileiros.

'Foi coisa de dois ou três dias para receber contato de recrutador'

Quatro meses foi o tempo necessário para Derek Leite Sanders, de 28 anos, fazer o processo seletivo, se mudar e começar a trabalhar em uma empresa na Polônia. Recém-chegado em Cracóvia, o paulista vinha querendo deixar o Brasil há alguns anos. Sentia-se incomodado para criar um filho aqui. "Não me sentia seguro na rua e achava a educação precária, quando comparada com a de outros países", diz ele, que moravam em Curitiba desde 2003.

Sanders experimentou morar no Canadá. Durante um ano, trabalhou na cozinha de restaurantes. Precisou voltar porque seu visto era temporário, mas planejava retornar ao Canadá quanto antes - se possível, trabalhando na área em que tem formação, de Sistemas de Informação. Decidiu, então, colocar em seu perfil no LinkedIn que estava disponível para trabalhos no Canadá, na Alemanha, na Inglaterra e na Polônia, onde um amigo estava trabalhando.

"Aí foi coisa de dois ou três dias para receber o contato de um recrutador perguntado se eu queria participar de um processo seletivo", conta. Desse dia até 1.º de setembro, quando chegou em Cracóvia, foram apenas quatro meses. Nesse período, recebeu mensagem de outra empresa que procurava um profissional com seu perfil. Recusou o convite para a seleção, porque o processo na outra companhia já estava adiantado.

Sanders fez a todo o processo seletivo online. A empresa que o contratou pagou, depois, a passagem para se mudar e o primeiro mês de estadia. Sua mulher, que também atua na área de TI, chegou no começo de outubro e agora espera a documentação para poder trabalhar no país.

Nesses três primeiros meses de vida na Polônia, o saldo, até agora, é positivo, diz Sanders. "Aqui se parece muito com o Canadá. As pessoas são tranquilas. O transporte coletivo funciona. Só o trânsito é ruim. A partir das 15h, já tem engarrafamento."

No Brasil, o profissional ganhava cerca de R$ 6 mil - "era bom para Curitiba, mas dificilmente eu teria um aumento", diz. O salário agora é de 10 mil zlotych (quase R$ 11 mil), mas Sanders acredita ter mais chance de novos aumentos no futuro. "Dá para chegar pelo menos a 15 mil zlotych."

'É relativamente fácil conseguir trabalho na área de TI aqui'

A cearense Josiane Ferreira, de 31 anos, já havia cogitado se mudar para a Europa para trabalhar, mas não estava procurando emprego, quando viu um anúncio do Facebook de uma empresa sueca que buscava desenvolvedores de aplicativos para iPhone.

"Eu não me sentia preparada para o processo seletivo, mas estava trabalhando em uma vaga muito semelhante no Recife para uma empresa com sede em Los Angeles. Achei que era meu perfil."

Josiane se candidatou para a vaga. Fez quase todo o processo online, mas, para a última etapa, a companhia lhe enviou passagens para realizar as entrevistas em Estocolmo. Fez um bate e volta para a Europa, ficou apenas um dia lá, em que passou por quatro entrevistas. "Achei a cidade bonita, mas nem tive tempo de conhecer. Lembro que achei tudo limpo e organizado."

O que realmente levou a engenheira de computação a se mudar para a Suécia, porém, não foi a organização do país, mas a possibilidade de atuar em uma grande empresa de tecnologia. "Pensei que isso me permitiria gerar um impacto relevante, porque são milhões de usuários." O fato de a companhia ter políticas de igualdade de gênero também a agradou. "No Brasil, quando se trabalha com TI, é comum você ser a única mulher na equipe. Aqui, a questão de gênero é uma das prioridades da empresa."

Com um filho de dois meses, a brasileira está de licença maternidade e vê nessa política mais uma vantagem de estar morando no exterior. Ela pretende ficar afastada do trabalho até abril, quando o marido deve tirar sua licença para cuidar da criança. "Aqui, podemos tirar, juntos, um ano e meio de licença, sendo que por 30 dias podíamos estar os dois afastados."

Josiane já era casada quando se mudou, em 2015. O marido é programador e também conseguiu autorização para trabalhar em Estocolmo quando ela recebeu o visto. "Ele veio sem emprego e depois conseguiu aqui. É relativamente fácil conseguir trabalho na área de TI aqui", diz ela, que conta que ainda recebe convites semanalmente para participar de novos processos seletivos. "Não respondo grande parte das mensagens."

'O Brasil corre muito atrás do que já está desenvolvido'

A engenheira Andressa Kalil, de 37 anos, traçou um caminho diferente do da maioria dos brasileiros da área de Tecnologia da Informação que estão na Europa. Enquanto estudava Engenharia Eletrônica e da Computação na Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), começou a estagiar para uma empresa sueca ainda morando no Brasil. Depois de formada, foi transferida para Estocolmo - onde ficou sete anos - e, agora, está na Noruega, trabalhando em um startup.

Apesar de sentir falta da família, Andressa não vê oportunidades de trabalho interessantes o suficiente para voltar ao Brasil. "Em termos profissionais, não tenho muita vontade de estar no Brasil. As empresas que lideram na área de TI estão fora do País, e é nelas que se tem mais possibilidades para aprender. O Brasil corre muito atrás do que já está desenvolvido."

A fluminense destaca que o País tem perdido excelentes profissionais por não criar as oportunidades para retê-los. "O Brasil desenvolve engenheiros bons, mas não tem empresas de tecnologia de ponta. Para que haja (companhias que criam novas tecnologias), é preciso grandes investimentos. Como não tem, todo mundo sai (do País)."

Além da oferecer a oportunidade de trabalhar em grandes empresas da área de tecnologia - "o que calibra o currículo" -, os países europeus garantem uma vida mais confortável para o trabalhador, diz Andressa. "Não é que aqui não tenha violência, mas posso pegar um ônibus às 2h sem sentir aquela angústia."

'Minha percepção era que todo desenvolvimento tecnológico acontecia fora do País'

A falta de um diploma de ensino superior não prejudicou os planos de trabalhar na Alemanha do paulista Daniel Rodrigues da Costa Filho. Em geral, os países europeus pedem apenas uma comprovação de experiência na área de tecnologia para conceder o visto de trabalho. Em 2016, Costa Filho, de 37 anos, provou sua experiência de 23 anos como programador com artigos publicados sobre o assunto e antigos vínculos trabalhistas.

"Desde 2010, queria sair do Brasil. Minha percepção era que tudo acontecia fora do País - na Ásia, na Europa ou no Vale do Silício. Queria participar do desenvolvimento de tecnologia."

Costa Filho conta que, enquanto sua qualidade de vida aumentou desde que se mudou, seu poder aquisitivo diminuiu. "Mas não vim por causa de salário. Queria trabalhar em um polo tecnológico e, aqui, a qualidade de vida é altíssima. Entro no metrô e caminho de madrugada sem nenhum risco."

O paulista procurou trabalho em um site de Berlim que lista vagas em startups. Se interessou por postos em oito empresas que haviam anunciado ali e conversou sobre um assunto com um amigo que já estava na Alemanha. Esse colega conhecia um funcionário de uma das startups, que reforçou a candidatura de Costa Filho.

Desde que chegou em Berlim, ele já passou por três empresas - duas startups e uma fintech. A permanência do brasileiro na Alemanha, no entanto, depende de um vínculo empregatício. Assim, ele só pode pedir demissão de uma empresa depois de já ter fechado contrato com outro. "Mas trocar de emprego aqui é muito simples. A procura (por profissionais) é grande."

'Acho que não teria no Brasil as oportunidades que tenho nos Estados Unidos'

Faltavam dois meses para se formar em Ciências da Computação na Universidade Federal de Campina Grande (UFCG), quando Felipe Ribeiro Barbosa foi contatado por uma empresa espanhola para participar de um processo seletivo. Barbosa sempre participara de debates sobre softwares na internet, o que chamou a atenção da recrutadora.

O processo seletivo começou com uma entrevista conduzida pelo departamento de recursos humanos da empresa e seguiu com um pedido para que ele resolvesse um exercício técnico. Em seguida, viajou para conhecer o escritório da companhia - a rede social Tuenti - em Madri. Durante a visita à sede da empresa, fez mais uma entrevista. "Uma semana depois, recebi a oferta de trabalho."

Barbosa se mudou, em 2010, interessado na oportunidade de conhecer outro país. O salário, à época, não era um grande atrativo. "Os salários no sul da Europa são similares aos que se tem em São Paulo, mas a qualidade de vida é melhor."

Dois anos depois de começar a trabalhar em Madri, o profissional se candidatou a uma vaga no Spotify, na Suécia. A seleção foi semelhante à que havia feito para o Tuenti, com a exceção de não haver nenhuma entrevista presencial. Pouco depois, Barbosa se mudava para Estocolmo, onde ficou pelos sete anos seguintes.

Desde o fim de 2018, o paraibano está nos Estados Unidos, onde trabalha para a Netflix como engenheiro de software. "Nunca pensei em voltar (para o Brasil). Fico bastante triste em dizer isso, mas acho que não teria aí as oportunidades que tenho aqui. Seria difícil conseguir trabalhar em uma empresa que pode gerar um impacto tão grande para tantas pessoas", diz ele, hoje com 34 anos.

'A empresa pagou o visto, a passagem e as primeiras semanas de hospedagem'

Um intercâmbio feito na Espanha quando era estudante de Ciências da Computação na Universidade Federal de Campina Grande (UFCG) acendeu a vontade de morar no exterior em Lucas Albuquerque. "Foi um choque de realidade, principalmente em relação à segurança e à qualidade de vida." Após se formar, porém, a oportunidade de trabalho que apareceu foi em uma multinacional que tinha escritório em Porto Alegre.

Morando já bastante longe de casa e insatisfeito com o estilo de vida - "tive o carro arrombado várias vezes" -, o paraibano decidiu apostar na Europa. Atualizou seu currículo em redes sociais de trabalho, onde mostrou interesse por vagas na Alemanha e na Espanha. Uma recrutadora da Polônia, no entanto, foi a primeira a localizá-lo e, após dois meses de processo seletivo, o engenheiro se mudou para Cracóvia.

"Eles (a empresa) pagaram visto, toda documentação, passagem e primeiras semanas de hospedagem", conta ele, que nunca havia pensado em morar na Polônia. "O que me surpreendeu é que o país é um dos que mais está crescendo na União Europeia. Como a mão de obra é mais barata aqui, muita empresa vem para cá."

Em dois anos e meio em Cracóvia, Albuquerque já comprou um apartamento, teve um filho e mudou de emprego para gastar menos tempo no deslocamento até o escritório. Brasileira, sua esposa também têm direito a trabalhar na Polônia. "A vida aqui é muito boa. O lado negativo é o frio e se adaptar à alimentação, mas o país é seguro. Tudo é limpo e organizado. "

Estadão
Publicidade
Publicidade