PUBLICIDADE

Após morte de Munger, sucessão na Berkshire ganha foco

29 nov 2023 - 14h04
Compartilhar
Exibir comentários

A morte de Charlie Munger, da Berkshire Hathaway, marca o fim de uma era, deixando Warren Buffett como a única lenda dos investimentos do conglomerado e direcionando os holofotes aos gestores que, em grande parte, atuaram à sombra deles.

Poucas empresas estiveram tão intimamente associadas aos seus líderes quanto a Berkshire esteve com Buffett e Munger, que se conheciam há mais de seis décadas e nos últimos 45 anos foram, respectivamente, presidente e vice-presidente do conselho de administração do conglomerado sediado em Omaha, Nebraska.

A morte de Munger na terça-feira, a apenas cinco semanas de completar 100 anos, deixa os vice-presidentes do conselho da Berkshire, Ajit Jain e Greg Abel, que supervisionam os negócios de seguros e não-seguros, respectivamente, como os principais conselheiros e interlocutores de Buffett, de 93 anos.

Eles se tornaram vice-presidentes do conselho em 2018, começaram a desempenhar um papel público mais proeminente apenas nas reuniões anuais mais recentes da Berkshire e terão que preencher grandes lacunas, mais do que em quase qualquer outra empresa.

Mas Abel e Jain têm estilos diferentes de Buffett e Munger. Na reunião anual de 2021, Jain foi questionado sobre como ele e Abel interagem um com o outro.

"Não há dúvida de que a relação que Warren tem com Charlie é única e não será duplicada", disse Jain. "Não interagimos uns com os outros com tanta frequência como Warren e Charlie. Mas a cada trimestre conversamos sobre nossos respectivos negócios."

Abel disse que ele e Jain consultam regularmente um ao outro, especialmente quando algo incomum está acontecendo em um dos negócios da Berkshire.

Os investidores afirmam que têm confiança.

"Não consigo imaginar que os investidores não tenham pensado no que acontecerá quando Buffett se for também", disse Bill Stone, diretor de investimentos da Glenview Trust. "Você não precisa que eles sejam tão bons quanto Buffett ou Munger para fazer da Berkshire uma boa empresa e, possivelmente, uma ótima empresa."

A Berkshire não respondeu imediatamente a um pedido de comentário fora do horário comercial.

SUCESSÃO

A Berkshire tem um plano de sucessão desde pelo menos 2006, quando Buffett, então com 75 anos, disse aos acionistas que a empresa que ele administra desde 1965 estaria preparada para sua saída.

Munger indicou inadvertidamente durante a reunião anual de 2021 da Berkshire que Abel, um nativo de Edmonton, Alberta, de 61 anos, que passou um quarto de século no que hoje é a Berkshire Hathaway Energy, era o CEO designado.

Jain, de 72 anos, manteria a supervisão das operações de seguros.

Buffett elogiou ambos os executivos, chamando Abel de "ser humano de primeira classe" em uma mensagem de vídeo de 2013 e referindo-se a Jain como uma "superestrela".

Além dos dois principais executivos, o plano da Berkshire também prevê que Howard Buffett, filho mais velho de Buffett, se torne presidente não executivo, encarregado principalmente de preservar a cultura da Berkshire.

Todd Combs e Ted Weschler, que ajudam Buffett a administrar a carteira de ações de mais de 300 bilhões de dólares da Berkshire - cerca de metade das quais está em papéis da Apple - parecem estar na fila para assumir tudo.

"A Berkshire tem pessoas talentosas que ajudarão na escolha de ações", disse Bill Smead, diretor de investimentos da Smead Capital Management em Phoenix. "Mas nunca será a mesma."

Reuters Reuters - Esta publicação inclusive informação e dados são de propriedade intelectual de Reuters. Fica expresamente proibido seu uso ou de seu nome sem a prévia autorização de Reuters. Todos os direitos reservados.
Compartilhar
TAGS
Publicidade
Publicidade