PUBLICIDADE

Como Superman inspirou luta contra a homofobia no vôlei brasileiro

27 out 2021 19h23
ver comentários
Publicidade
Foto: Divulgação/DC Comics / Pipoca Moderna

A revelação de que o novo Superman se assume bissexual nos quadrinhos de "Superman: Son of Kal-El", em edição que será lançada em novembro nos EUA pela DC Comics, tirou do armário a homofobia brasileira e inspirou uma luta contra o preconceito no esporte nacional, com união de atletas LGBTQIA+ e patrocinadores contra a intolerância e em defesa de "um mundo melhor", como diz o slogan do super-herói para o século 21.

Como todo bom quadrinho, esta luta tem um vilão. Bolsonarista assumido, o jogador Mauricio Souza assumiu o papel ao ser dispensado nesta quinta (27/10) pelo Minas Tênis Club, seu time de vôlei, e não voltará mais a ser relacionado para jogos da seleção, após declarações polêmicas contra as primeiras imagens divulgadas da publicação da DC, que mostram o jovem Superman de 17 anos, filho de Clark Kent e Lois Lane, trocando beijos com outro adolescente.

"A é só um desenho, não é nada demais. Vai nessa que vai ver onde vamos parar…", ele escreveu no Instagram no Dia das Crianças, dando início a maior controvérsia do ano no esporte brasileiro, após manifestações de outros atletas do vôlei, como Sidão e Wallace. Este último escreveu "Misericórdia", ecoando o repúdio de Mauricio.

Muitos torcedores consideraram a postagem como indireta contra companheiros de seleção. E Douglas Souza (sem parentesco), assumidamente homossexual, rebateu logo em seguida. "Engraçado que eu não 'virei heterossexual' vendo os super-heróis homens beijando mulheres… Se uma imagem como essa te preocupa, sinto muito, mas eu tenho uma novidade para a sua heterossexualidade frágil. Vai ter beijo sim. Obrigado, DC [Comics], por pensar em representar todos nós e não só uma parte", disse o jogador, que participou das Olimpíadas do Japão com Mauricio.

Apesar das críticas, Mauricio resolveu reforçar sua opinião nas redes sociais. Com fundo preto, ele escreveu: "Hoje em dia o certo é errado e o errado é certo… Não se depender de mim. Se tem que escolher um lado eu fico do lado que eu acho certo! Fico com minhas crenças, valores e ideias!". E ainda acrescentou, fazendo referência à suposta "heterossexualidade frágil" citada por Douglas: "Pra cima de mim não! Aqui é frágil igual esticador de canto de cerca!".

O novo post gerou mais repercussão, forçando o Minas Tênis Clube a se manifestar.

O clube soltou um comunicado dizendo estar "ciente do posicionamento público do atleta Maurício Souza". Mas defendeu seu direito à "liberdade de expressão": "Todos os atletas federados à agremiação têm liberdade para se expressar livremente em suas redes sociais".

Para se sustentar em cima do muro, o texto ainda acrescentou: "O Clube é apartidário, apolítico e preocupa-se com a inclusão, diversidade e demais causas sociais. Não aceitamos manifestações homofóbicas, racistas ou qualquer manifestação que fira a lei. A agremiação salienta que as opiniões do jogador não representam as crenças da instituição sócio desportiva". E concluiu, visando dar o assunto por encerrado: "O Minas Tênis Clube pondera que já conversou com o atleta e tem orientado internamente sobre o assunto".

Mas o discurso "apaziguador" só aumentou a polêmica, que chegou aos patrocinadores do time. A montadora Fiat e a metalúrgica Gerdau assinaram comunicados opostos ao tom do Minas, exigindo o enquadramento de Mauricio.

Em sua nota, a Fiat disse que estava "cobrando as medidas cabíveis", afirmando ter "posicionamento inegociável diante do respeito à diversidade e à inclusão" e que "repudia qualquer tipo de declaração que promova ódio, exclusão ou diminuição da pessoa humana".

A Gerdau também cobrou "tratativas necessárias ao caso" e a adoção de "medidas cabíveis, o mais rápido possível", reforçando seu "compromisso com a diversidade e inclusão, um valor inegociável para a companhia".

Após a cobrança pública, o Minas mudou de tom. Em comunicado bem mais duro, anunciou que "não aceitará manifestações intolerantes de qualquer forma" e "intensificará campanhas internas em prol da diversidade, respeito e união, por serem causas importantes e alinhadas com os valores institucionais".

Além do comunicado, o clube multou e suspendeu o jogador, forçando-o ainda a fazer uma retratação pública. Na terça (26/10), Mauricio pediu desculpas sem dizer pelo quê, escrevendo uma mensagem sem a esperada retratação no Twitter, onde tem menos seguidores, ao mesmo tempo em que manteve as publicações com teor homofóbico no Instagram.

"Pessoal, após conversar com meus familiares, colegas e diretoria do Clube, pensei muito sobre as últimas publicações que eu fiz no meu perfil. Estou vindo a público pedir desculpas a todos a quem desrespeitei ou ofendi, esta não foi minha intenção. Tenho refletido muito e reitero minhas desculpas pelo posicionamento", o jogador escreveu, sem se aprofundar.

Acompanhando o caso da Itália, onde defende atualmente o Vibo Valentia, Douglas desabafou: "O famoso não vai dar em nada, né. Toda vez a mesma coisa, cansado disso, de sempre ter falas criminosas e no máximo que rola é uma 'multa' e uma retratação nas redes sociais. Até quando? Feliz pelas empresas se juntando contra e triste por atletas tentar passar o pano nisso. Vergonhoso. Todos os dias, todas as horas um dos nossos morrem. E o que temos? Uma retratação".

Craque da seleção e capitã do time feminino do Minas, Carol Gattaz compartilhou a publicação de Douglas mostrando solidariedade. "Estou com você", disse. A central também se posicionou em seu Instagram, destacando que "homofobia é crime" e exigindo respeito. "Já toleramos desrespeito, gracinhas e preconceitos disfarçados de opinião por muito tempo. Chega", postou.

As reações reforçaram que a resolução do caso não era o que se esperava.

Após indícios de que os patrocinadores procuraram a diretoria do clube de Belo Horizonte para cobrar a necessidade de um post no Instagram e que fossem deletados os posts homofóbicos, Mauricio foi novamente às redes sociais nesta quarta (27/10), desta vez em vídeo gravado para o Instagram, onde voltou a "pedir desculpas a quem se sentiu ofendido".

Entretanto, ele se recusou a fazer uma retratação. Ao contrário, defendeu que "ter opinião e defender o que se acredita não é ser homofóbico com ninguém".

"Eu fico triste com tudo que está acontecendo, porque infelizmente a gente não pode mais dar opinião, colocar os valores acima de tudo. Valores de família, valores que a gente acredita. Mas os valores de vocês a gente tem que respeitar de qualquer custo, se não a gente é taxado de homofóbico, preconceituoso…", reclamou o jogador.

O anúncio do desligamento do Minas ocorreu logo depois que a nova postagem foi ao ar.

"O Minas Tênis Clube informa que o atleta Maurício Souza não é mais jogador do Clube", divulgou a entidade esportiva, de forma curta e seca, nas redes sociais.

Procurado pela imprensa para repercutir o fato, Renan dal Zotto, técnico da seleção brasileira de vôlei, também fechou as portas para Maurício Souza. O treinador se posicionou de forma contundente contra as declarações homofóbicas do meio de rede do Minas Tênis Clube.

Em entrevista ao jornal Extra, Renan justificou sua posição: "É inadmissível este tipo de conduta do Maurício e eu sou radicalmente contra qualquer tipo de preconceito, homofobia, racismo. Em se tratando de seleção brasileira, não tem espaço para profissionais homofóbicos. Acima de tudo, preciso ter um time e não posso ter este tipo de polêmica no grupo. Não me refiro apenas ao elenco dos atletas. É geral, para todos os profissionais".

Pipoca Moderna Pipoca Moderna
Publicidade
Publicidade