0

Atores de Mosul recebem ameaças de morte do Estado Islâmico

13 jan 2021
18h35
  • separator
  • 0
  • comentários
  • separator
Foto: Divulgação/Netflix / Pipoca Moderna

O terrorismo do mundo real decidiu escolher uma alvo hollywoodiano: o elenco do filme "Mosul", um thriller de guerra falado em língua iraquiana. Os atores ligados à produção têm recebido ameaças de morte do Estado Islâmico.

Os fanáticos não gostaram do longa, baseado na história real de um esquadrão da SWAT iraquiana que saiu às ruas para exterminar membros do Estado Islâmico, buscando vingança pela morte de membros de sua unidade nas mãos da organização terrorista. Lançado no final de novembro pela Netflix, o filme se tornou um dos mais vistos da plataforma na Europa e no Oriente Médio.

Mas a popularidade no Oriente Médio também fez com que várias das estrelas da produção fossem ameaçadas em suas páginas de mídia social, com juramentos inquietantes de violência e morte.

"Quando postei em minhas redes sociais que o filme estava para ser lançado, no primeiro dia já houve muita reação do Estado Islâmico", disse Suhail Dabbach, que interpreta o coronel Jasem, o líder da equipe SWAT, em depoimento para o site Deadline. "Eles publicaram muitos vídeos e palavrões. Em resumo, disseram: 'Agora nós conhecemos você e você tem que se cuidar'. Disseram: 'Todos os dias, toque na sua cabeça para se certificar de que ela ainda não foi decepada'. E ainda: 'Nós sabemos onde você mora e iremos pegá-lo.'

A família de Dabbach também recebeu ameaças assustadoras e seu colega de elenco, Adam Besa, que interpreta o policial que é convocado para a equipe, viu sua página do Instagram ser apagada e passou a sofrer ameaças no WattsApp.

As ameaças foram rastreadas até a Turquia.

Os financiadores do filme, AGBO, Netflix e 101 Studios, levaram isso a sério o suficiente para direcionar esforços para garantir que todos ficassem seguros.

"Foi certamente uma experiência enervante para os atores", disse o cineasta Joe Russo (de "Vingadores: Ultimato"), produtor do filme, ao Deadline. "Nunca é uma sensação confortável ter sua privacidade violada, e é assustador receber ameaças de morte de fontes anônimas. Mas sentimos que isso foi tratado com habilidade pela Netflix e por nossa própria equipe de segurança. "

Seu irmão e parceiro Anthony Russo se recusou a dizer se as ameaças de morte vieram realmente do Estado Islâmico. "Só direi que tratamos isso muito a sério", ele afirmou ao Deadline. "Sabíamos que o filme era provocativo e potencialmente perigoso para todos os envolvidos. Tomamos as medidas de segurança mais altas que podíamos imaginar".

Ele listou ações que foram tomadas durante a produção, no Marrocos, para evitar atentados no set. "Não distribuímos roteiros, tínhamos um codinome para o filme e retiramos todas as referências ao Estado Islâmico dos roteiros quando tivemos que torná-los públicos, de modo que a organização nunca aparece mencionada explicitamente como no filme. Tínhamos os melhores seguranças trabalhando conosco, mas ainda assim havia perigo. Só que tínhamos que estar em um país do Oriente Médio para fazer o filme como fizemos. Ficamos expostos e tínhamos que agir da forma mais responsável possível, mas todos sentiram que valia a pena correr o risco", explicou.

Matthew Michael Carnahan, que escreveu e dirigiu o drama para a AGBO e a Netflix, disse que as ameaças são um subproduto terrível da audiência extremamente alta atingida pelo filme. Ele próprio acha esse sucesso particularmente inusitado porque eles filmaram em língua iraquiana para manter a sensação de autenticidade, de modo que a maioria do público viu "Mosul" com legendas.

"Ninguém sabia que chegaria a esse nível", disse Carnahan. "Que a família de Suhail no Oriente Médio seria ameaçada, que eles invadiriam o telefone de sua esposa, ou que a página do Instagram de Adam desapareceria e ele receberia essas ameaças WattsApp. Por um lado, foi apavorante, mas por outro pensamos que acertamos algo em cheio. Devemos ter atingido um ponto nevrálgico no que resta do Estado Islâmico, ou pelo menos nessa mentalidade do Estado Islâmico. "

Apesar dos problemas, o filme acabou sendo o ponto alto da carreira de Suhail Dabbach, cujo desempenho tem sido amplamente aclamado. Ele se formou no Baghdad College Fine Arts com a intenção de ser ator, mas teve que fugir quando Saddam Hussein assumiu o poder e instalou seu filho Uday como encarregado das artes. Isso transformou o cinema em uma profissão perigosa. Dabbach passou um tempo em campos de refugiados da Jordânia antes de conseguir migrar para os Estados Unidos, onde procurou emprego como ator, mas ganhava a vida trabalhando principalmente em um asilo de idosos.

O ator começou sua filmografia com outra produção americana sobre o Iraque, "Guerra ao Terror" (2008), onde apareceu como um homem preso em um colete explosivo que implora ao especialista em bombas para desarmar o mecanismo e salvar sua vida, sem sucesso. Todos os demais trabalhos que se seguiram foram como figurante, até "Mosul".

"A gente achava que seria ótimo se o mundo descobrisse esses caras - e Suhail estava trabalhando em uma comunidade de aposentados quando entrou no elenco - mas agora eles estão no radar de algumas pessoas muito más", disse Carnahan. "Quero que Suhail seja reconhecido pelo risco que correu, quero que Adam seja reconhecido pelo risco que correu, e quero que as pessoas pensem sobre esse filme e o vejam sabendo que há pessoas muito perigosas por aí, que odeiam que eles estão assistindo isso. Que odeiam que alguém tenha retratado essa luta, com uma narrativa sobre a qual eles não têm controle", continuou. "Sim, é um filme, mas ele carregou riscos físicos para todos os envolvidos, especialmente para os atores. É uma prova de como eles são bons. "

Veja abaixo o trailer de "Mosul".

Veja também:

Carla Perez é a rainha do Insta e podemos provar!
Pipoca Moderna Pipoca Moderna
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade