Logo do

Dia dos Namorados

Siga a marca:

Paixão pode durar até 48 meses; saiba explicações científicas

13 mai 2013
14h21 atualizado às 15h42
0comentários
14h21 atualizado às 15h42
Publicidade

Não há quem não tenha experimentado ao menos uma vez na vida as sensações provocadas pela paixão. De acordo com a ciência, essa fase inicial do amor é uma alteração cerebral, na qual um coquetel de hormônios e substâncias provoca sinais como euforia, tremor nas mãos, palpitação, mudança de humor, intensa saudade, dependência emocional e, por fim, a observação somente das qualidades da pessoa amada.

Com esse quadro de “sintomas”, quem foi pego de surpresa pelo coração ainda experimenta sensações de intenso prazer, que ajudam a autoestima. Por outro lado, a paixão mostra-se um tanto contraditória, já que a mente também formula receios exagerados. “Estar apaixonado é experimentar um turbilhão de emoções, muitas vezes volúveis, como medo, insegurança e dúvidas”, explica Cibele Fabichak, médica fisiologista e autora do livro “Sexo, Amor, Endorfinas & Bobagens”.

Para explicar essa fase, pesquisadores costumam dizer que certos hormônios e substâncias - como a dopamina, a oxitocina e a endorfina - são produzidas em grandes quantidades, estimulando as áreas cerebrais do prazer, enquanto, simultaneamente, vão inibindo algumas sessões, reduzindo, assim, o discernimento crítico.

Os três estágios da paixão
Estudos apontam que a biologia do ser humano apaixonado passa a se preparar para três estágios da paixão, que podem ou não surgir em ordem. O primeiro consiste em sentimentos românticos, pautado na união e no desejo sexual, que deixam a pessoa um tanto “abobada”, já que o cérebro está tomado por endorfina.

Já a segunda fase é aquela referente à atração física, que pode causar perda de apetite, insônias e pensamentos distantes. Os hormônios ainda estão correndo, porém, o apaixonado vai se tornando um pouco mais realista e a constante intimidade enfraquece gradativamente o idealismo.

O último momento da paixão é baseado na ligação emocional e na aceitação incondicional, no qual a pessoa começa a enxergar criticamente as qualidades e os defeitos de seu parceiro. Brigas e separações nesse estágio são comuns, pois é chegada a hora para decidir se prosseguir com o relacionamento vale a pena ou não.

Por meio do mapeamento cerebral, foi descoberto que o estado mental alterado pela paixão dura, geralmente, de 18 a 48 meses. “Durante esse período, a química cerebral é marcada pelo prazer e pela euforia, mas, com o fim dessa fase, a checagem racional do amor é o próximo passo da relação”, analisa Cibele.

Entretanto, a transformação da paixão em amor é muito sútil e, apesar da média apresentada, não tem data exata para acontecer, pois depende muito da rotina e do convívio do casal. Os fatores que acarretam essa mudança são o companheirismo, a cumplicidade, os interesses em comum, a inovação, a tolerância, o respeito e também a intimidade.

Fonte: Agência Hélice Fonte: Terra
Publicidade
Publicidade