PUBLICIDADE

O que é hidrocolonterapia? Entenda método controverso usado por ex-BBB para limpar intestino

Influenciadora alega que procedimento é capaz de eliminar 'fezes antigas'; médicos contestam prática e apontam riscos à saúde

30 nov 2023 - 13h56
(atualizado às 14h56)
Compartilhar
Exibir comentários
A ex-BBB Adriana Sant'Anna realizou o procedimento de hidrocolonterapia
A ex-BBB Adriana Sant'Anna realizou o procedimento de hidrocolonterapia
Foto: @santanaadriana

A influenciadora e ex-BBB Adriana Sant'Anna chamou a atenção esta semana ao relatar, em um vídeo publicado no Instagram, que se submeteu a um procedimento para eliminar fezes "velhas" do intestino. Chamado de hidrocolonterapia, ou colonterapia, o método utiliza água sob pressão para esvaziar o intestino. O procedimento não é recomendado pela Sociedade Brasileira de Coloproctologia (SBCP), pois há risco de perfuração do órgão, entre outros prejuízos à saúde.

"Um das sete maravilhas do mundo", escreveu Adriana no post em sua página do Instagram. "Eu estava cheia de gases, com dores abdominais terríveis", afirma, recomendando o procedimento a seus mais de 5 milhões de seguidores.

No mesmo post, Adriana mostra um passo a passo do método e um "antes e depois", em que sua barriga aparece menos inchada. Durante a conversa entre a ex-BBB e a mulher que aplicou a hidrocolonterapia, é mencionado ainda que as fezes ficam "por toda a vida" presas em cavidades intestinais. "Até por 20 anos", diz a mulher, que seria brasileira, mas teria aplicado o método nos Estados Unidos, onde Adriana vive hoje.

Papel higiênico, ducha ou lenço umedecido? Saiba qual a melhor forma de se higienizar

Como funciona a hidrocolonterapia e por que não é recomendada por médicos?

O procedimento é uma limpeza do intestino grosso, feita através da aplicação de água ou soro pelo ânus, por meio de um cano de plástico. A justificativa seria uma suposta "autointoxicação" pelo acúmulo de fezes antigas no intestino.

Essa teoria de "autointoxicação", no entanto, "foi cientificamente desmentida por volta de 1920, quando estudos científicos demonstraram não haver qualquer relação entre a presença de fezes no cólon e algum tipo de intoxicação no nosso organismo", diz a SBCP.

A entidade médica reconhece que existem situações "muito específicas" em que o cólon deve ser limpo para procedimentos diagnósticos, como a colonoscopia, ou terapêuticos, em determinadas cirurgias. Mas afirma que o procedimento "deverá ser sempre indicado por médico que tenha experiência e que conheça as particularidades de saúde de seu paciente".

Os potenciais riscos da hidrocolonterapia à saúde são:

  • Desequilíbrio da flora intestinal;
  • Desequilíbrio hidroeletrolítico;
  • Distensão abdominal;
  • Cólicas;
  • Perfuração do intestino e sangramento por lesão da parede intestinal durante a colocação da sonda ou pela pressão excessiva da água ou soro.

Qual a forma certa de tratar constipação?

De acordo com o porta-voz da SBCP, pacientes com trânsito intestinal lento e/ou constipados, necessitam sempre de uma avaliação médica e, na maioria das vezes, o tratamento é baseado em uma dieta rica em fibras e líquidos, além de atividade física regular.

Algumas medicações também são utilizadas eventualmente, mas sempre com critérios definidos após "minuciosa avaliação médica". "Nunca utilizamos laxantes para uso crônico, nem lavagem intestinal", afirma Silva.

"O nosso trato digestório é povoado por um grande número de organismos comensais (nossa flora intestinal) que são fundamentais no equilíbrio imunológico de todo o corpo humano. Alterações frequentes nessa flora podem ser extremamente prejudiciais", afirma a SBCP.

10 alimentos sem glúten para incluir na dieta 10 alimentos sem glúten para incluir na dieta

Estadão
Compartilhar
Publicidade
Publicidade