2 eventos ao vivo

Socorro! Quero um mundo melhor para a minha família!

Alguma luz?

6 fev 2018
10h35
  • separator
  • comentários

Créditos de imagem: Reprodução/ TV Globo.

Foto: Mãe com Prosa

O hábito de acordar e ligar o telejornal tem me causado arrependimentos quase diários. É que, antes de sentir o sol no rosto ou o beijo de bom dia, acabo amanhecendo "metralhada" por más notícias.

O controle remoto nem sempre está à mão para me proteger. Me faltou agilidade, por exemplo, para mudar o canal antes de acompanhar a entrevista de um jovem, marido de uma grávida baleada na cabeça numa tentativa de assalto em Belford Roxo, no Rio de Janeiro. Uma tragédia!

Foi logo nos primeiros dias de um ano que começou cheio de expectativas pela chegada do primeiro filho do casal. Mas, Antônio nasceu às pressas, prematuro, e foi direto para a UTI. Enquanto isso, a mãe seguiu para uma delicada cirurgia neurológica. O médico responsável explicou a extrema gravidade da situação e praticamente desenganou ambos. Mas as palavras do especialista não abalariam as certezas daquele pai. Ele acreditava num milagre e dizia que voltaria para casa acompanhado da mulher e do filho.

Eu admito que duvidei. E, aqui de longe, apenas pude lamentar o drama que não me dizia respeito diretamente, mas atingia em cheio a minha fé na humanidade.

Cerca de 20 dias depois, para minha surpresa, leio na home do G1 a seguinte manchete: "Bebê de mãe baleada no Rio não terá sequelas". Na foto, o pai beija a testa da criança no colo da mãe sorridente que também se recupera bem. Que alegria! Que alívio! Há esperança?

Não exatamente. Atualizo a página e sou atingida em cheio pela próxima notícia: Criminosos matam criança de 3 anos e baleiam pai e mãe em tentativa de assalto". Que mundo é esse? Como podemos mudar essa realidade para garantir segurança para nossas famílias? Alguma luz, por favor?!

Outros textos de Patricia Travassos

Acesse nosso site: www.maecomprosa.com.br

Reprodução/ TV Globo

Mãe com Prosa

compartilhe

comente

  • comentários
publicidade
publicidade