0

Quando comprar é mais divertido do que brincar

27 fev 2018
10h50
atualizado às 16h13
  • separator
  • comentários

Acabo de comprar um álbum para as minhas filhas. Sim, elas já têm vários. Alguns meio velhos, outros no começo, quase nenhum terminado. Não, elas não precisavam de mais um, mas a gente cede né? Sábado, passeio na livraria, dia de diversão e eu tentando me convencer de que seria até um estímulo à leitura (mesmo sabendo que o máximo de texto ali eram 3 linhas inúteis do tipo: "vista a Elsa como uma estrela").

Foto: Mãe com Prosa

Comprei, mas antes relutei! Disse que era caro, que elas não precisavam, que não temos de comprar presentes toda vez que vamos ao shopping. Mas elas insistiram, olhos brilhando, mãozinha de súplica. Ai mamãe, a gente amou! Compra mamãe! Olha que lindo! A gente não tem desse aqui. Por favorrrrr! Conseguiram.

Pensei: elas não vão aguentar esperar até chegar em casa para abrir a sacola, rasgar o pacote e, encantadas, folhear o álbum. Vão abrir a porta correndo, invadir a sala e começar a colar os adesivos até perderem a noção do tempo e terem de ser chamadas para o banho. Tudo bem, a cena tá meio propaganda da Hi Happy, mas lembra da alegria que tomava o seu coração quando ganhava um presente? Lembra da sensação de que finalmente estava com o que mais havia desejado na vida, bem ali nas suas mãos?

Bom, elas até pegaram o presente, deram uma olhadinha, comentaram sobre a presença de alguns adesivos e a falta de outros. Cinco minutos e pronto. Uma filha foi fazer xixi e a outra tá na rede com tédio, olhando para o nada.

Tentei me controlar porque em outros tempos soltaria o verbo (que absurdo, dinheiro não dá em árvore, acabo de comprar o que mais queriam e não brincam e blá, blá, blá), mas hoje me contive. Apenas sugeri umas 2 ou 3 vezes de forma discreta: "não vão brincar com o álbum"? Mas não queriam tanto"?

Acho que não me exaltei porque o meu tom foi de tristeza, sentimento que compartilho com você agora. Na sua casa é assim? Muitos brinquedos e pouca brincadeira?

Tenho a sensação de que algumas vezes elas brincam com algo novo mais para me agradar do que para se divertirem. Mas aqui a reflexão vai mais além. De onde vem a falta de vontade? Por que a novidade passa tão rápido????

Será que é pelo fato de não precisarem mais esperar pelo aniversário para receberem uma surpresa? Será que é porque o grande barato nas redes hoje são os "unwraps", vídeos de influenciadores digitais mirins desembrulhando presentes? Será que tem a ver com o fato de que salão de beleza de criança até corta cabelo, mas também vende Kinder Ovo Joy? Ou porque elas ganham presentes cada vez mais caros e em maiores quantidades? Pode ser também que seja coisa dos desenhos animados que viram bonecas colecionáveis que vestem roupinhas vendidas em kits lançados semanalmente.

O mundo tá consumista e a gente tá cansado de lutar contra ele. Eu estou, confesso.

Mas não vou desistir porque lá na frente sei que vou "me agradecer". Chamei as meninas e disse que o álbum seria dado a outra criança que, de fato, valorizasse aquele presente. Elas protestaram um pouco, bem pouco pra falar a verdade porque já estava quase na hora da pizza com os amigos da escola.

A vida infantil anda divertida demais. Para quê brincar? Melhor comprar! Estamos falhando, acho.

Talvez a resposta seja dar , limite de presente, não?

Outros textos de Michelle Póvoa Dufour

Acesse nosso site: www.maecomprosa.com.br

Mãe com Prosa

compartilhe

comente

  • comentários
publicidade
publicidade