PUBLICIDADE

Elas falam se pediriam parceiro em casamento ou se é papel masculino

Depois de cena em Amor à Vida e vídeo viral A Rejeitada do ABC, mulheres contam como lidam com o grande pedido

13 jun 2013 08h34
| atualizado às 08h34
ver comentários
Publicidade

Na quinta-feira da semana passada, a personagem Paloma (Paola Oliveira) pediu Bruno (Malvino Salvador) em casamento, na novela Amor à Vida. No último domingo, Carine Milani ficou famosa nas redes sociais após a divulgação de um vídeo – intitulado A Rejeitada do ABC - em que ela faz um pedido de casamento em público em Santo André e é recebida com repreensão do pretendente. A atitude que já deixou de ser exclusividade masculina dividiu opiniões entre as entrevistadas pelo Terra.

“Pedi meu esposo em namoro, noivado e casamento. Estamos há 11 anos juntos”, contou a assessora de eventos Camila Camasmie. No A Rejeitada do ABC, Carine, chamada de “Mariana” no vídeo surpreende tanto o personagem Bruno, que ele a coloca no carro, aparentemente descontente com a iniciativa. A reação do atual marido de Camila também foi de espanto: “não é comum uma mulher tomar a atitude, há 11 anos menos ainda. Mas até hoje ele diz ‘ainda bem’”, contou.

“O amor não tem sexo e nem regra. Pedi e pediria mil vezes. Não tem essa de que o homem tem que pedir em casamento, nem pagar a conta”, argumentou Camila. “Por que só eles devem fazer isso?”, questionou a secretária executiva Margareth Cunha. Ela ainda não passou pela situação, mas pediria a mão do parceiro sem problemas. “Eu seria direta mesmo”, afirmou.

Homens de joelho

A empresária Camilla Nogal não se colocou contra a atitude feminina, mas confessou que não teria coragem de fazer um pedido de casamento. Apesar de estarmos no século 21, na opinião de Camila, enquanto alguns homens se sentiriam lisonjeados com a ousadia, outros teriam “certo preconceito”. “Veriam a mulher como encalhada”, exemplificou.  Para a gerente administrativo Bruna Carolina Amaral, um possível motivo de rejeição à ideia seria por que o “homem sente que até neste momento está sendo roubado o seu papel”. É por esse pensamento, que ela não tomaria iniciativa em relação ao matrimônio.

A jornalista Anaiza Castellani compartilha a mesma opinião que Bruna sobre o preconceito masculino. Segundo ela, “muitos devem até ficar felizes com um pedido vindo da namorada, porque no fundo têm o mesmo sentimento. Mas, ao mesmo tempo, podem se cobrar por não terem tomado a tal iniciativa”. Amigos, familiares e pessoas próximas também tendem a ver a situação com discriminação, afirmou.

Apesar de nunca ter cogitado a ideia, Anaiza não vê problemas em a namorada pedir o namorado em casamento, “contanto que os dois estejam em sintonia e compartilhem das mesmas intenções”. “Se um dia, em um momento romântico, sentisse vontade de manifestar meu desejo, simplesmente falaria de uma forma bonita e verdadeira. Ao mesmo tempo, como sou fruto da geração das comédias românticas, ainda sonho com um pedido de casamento inusitado feito pelo ‘meu amor’”, concluiu.

Fonte: Terra
Publicidade
Publicidade