PUBLICIDADE

Saiba como é jantar em um restaurante de Ferran Adrià

Tickets, inaugurado em 2011, é o bar de tapas do chef catalão com o irmão Albert

ver comentários
Publicidade

Quem sonhava em conhecer o El Bulli, o restaurante de Ferran Adrià, espanhol eleito cinco vezes o melhor chef do mundo pela revista Restaurant e expoente máximo da gastronomia molecular, pode matar parte da curiosidade visitando o Tickets, seu bar de tapas em Barcelona. Para conhecer o local, deixei de ir com o meu marido em uma partida do Barcelona contra o Milan pela Liga dos Campeões. Os amantes do futebol que me perdoem, mas achei a experiência, mesmo sem o Messi ou os quatro gols do Barcelona, igualmente surpreendente.

O bar é a aventura na baixa gastronomia de Adrià e seu irmão, o também chef Albert Adrià, que gerencia a cozinha. A decoração, muito colorida, com destaque para o vermelho, faz referência a um circo e privilegia mesas compartilhadas e um balcão. Não há vidros na cozinha - os clientes ficam em contato direto com os chefs - e podem verificar de perto o preparo dos alimentos.

No cardápio é possível encontrar clássicos da cozinha do El Bulli – famoso por inovar ao transformar a forma e a textura dos alimentos - como a azeitona líquida, minha tapa favorita. Servida nas versões verdes e pretas, as azeitonas chegam à mesa no mesmo formato esférico que a tradicional, mas explodem na boca, com um caldo liquido com o mesmo sabor do alimento sólido. Outra receita trazida do outro restaurante é a deliciosa salada de laranja, servida com um molho com azeite levemente salgado que contrasta com o adocicado da fruta.

Outra tapa diferente, extremamente bonita e sofisticada, é feita com um pão leve coberto com presunto cru com defumação especial (de pelo menos cinco anos segundo o garçon), cebolas e um pó branco que lembra açúcar refinado, mas na verdade é um vinagre em uma forma sólida.

Na sequência, foi possível comer um bolinho com consistência dura que “quebra” na boca e libera um creme leve de queijo gorgonzola e um canelone feito com finas fatias de abobrinha recheado com um creme de caranguejo e coberto com um molho de ervilhas. Mesmo os pratos mais tradicionais – como os dois brioches (pão tradicional frances) servidos, um com recheio de queijo e outro de presunto, mostram um cuidado extremo na preparação, com sabor pronunciado, mas consistência delicada.

O servidor público americano Martin Silva, que visitava o restaurante pela primeira vez, ficou surpreso com o esmero na preparação dos pratos. “O trabalho do chef é absolutamente criativo, a apresentação é primorosa e a maioria dos pratos são tão gostosos quanto parecem”, diz. Ele ficou particularmente surpreso com uma das sobremesas: folhas de morango servidas com um iogurte sólido. A comissária de bordo Kimberly Locksley também pretende voltar. Segundo ela, a experiência fica completa pelo sabor dos pratos e o tratamento da equipe, extremante solícita e educada.

Na minha opinião, o restaurante apresenta a comida de uma nova forma – literalmente – e isso requer uma certa adaptação dos comensais. Os sabores foram absolutamente surpreendentes e impactantes, mas a dúvida é se, sem o efeito da novidade, se a próxima visita será tão interessante.

Preços
O local, que foi criado para levar a gastronomia molecular para todos, não tem um preço acessível em um país que está sofrendo com a recessão e tem 6 milhões de desempregados (cerca de 20% da população total). Embora as opções mais baratas de tapas custem 4 euros (cerca de R$ 12), um menu degustação ( de 12 pratos) com bebida sai por cerca de 70 euros (cerca de R$ 210). Ainda assim, é um valor muito menor do que os 270 euros (R$ 810) cobrados no El Bulli (pelo menu com 48 pratos), sem bebidas.

O cliente pode optar por escolher diretamente no cardápio as tapas, mas os garçons incentivam que seja escolhido um menu degustação, que não é fixo e varia de acordo com as preferências de cada freguês. Para evitar surpresas, o atendente pergunta antecipadamente quanto o comprador pretende pagar – e avisa quando o menu atingir a quantia.

Apesar do custo, para conseguir uma mesa é preciso reservar com antecedência. Quando começou a operar, em 2011, uma reserva demorava em média dois meses. Atualmente é possível conseguir uma vaga para a mesma semana ou até mesmo no dia, se você tiver a sorte de tentar no mesmo dia em que Lionel Messi vai se apresentar nos gramados.

Anúncio dos 50 melhores

O Terra, a maior empresa latino-americana de mídia digital, transmitirá ao vivo o anúncio dos 50 melhores restaurantes do mundo na próxima segunda-feira (29), a partir das 16h, direto do Guildhall, em Londres, na Inglaterra. A transmissão estará disponível inclusive para tablets, smartphones e TVs conectadas.

No ranking de 2012, o restaurante D.O.M., de Alex Atala, ficou com o 4º. lugar no ranking mundial. Mais dois brasileiros foram mencionados não entre os 50, mas entre os 100 melhores restaurantes do mundo. O restaurante Maní, da chef Helena Rizzo, em São Paulo, ficou com a 51ª posição, e o Roberta Sudbrack, da chef de mesmo nome, no Rio de Janeiro, pegou a 71ª posição.

O ranking 'The World's 50 Best Restaurants', organizado pela revista Restaurant, elege os 50 melhores restaurantes do mundo, escolhidos por 936 jurados especializados. A transmissão do 'The World's 50 Best Restaurants' é um oferecimento da FineDiningLovers.com, com patrocínio de S. Pellegino e Acqua Panna.

Serviço:
Tickets
Av. Paralelo 164.
Barcelona
Reservas pelo site: www.ticketsbar.es

<br />

 
Fonte: Terra
Publicidade
Publicidade