0

Projeto ensina técnicas de defesa pessoal para mulheres

O Projeto Segunda Força une aulas de autodefesa e inteligência emocional; inscrições poderão ser feitas em 2020

18 dez 2019
16h29
atualizado às 17h50
  • separator
  • 0
  • comentários

O Projeto Segunda Força foi criado com o objetivo de prevenir casos de violência contra a mulher a partir de aulas sobre defesa pessoal e inteligência emocional. A iniciativa, lançada este ano, é promovida pela Associação dos Oficiais Militares do Estado de São Paulo em Defesa da Polícia Militar (Defenda PM).

Gratuito, o projeto foi idealizado pelo tenente da polícia militar Henrique Velozo, que atualmente estuda na Escola de Educação Física da Polícia Militar, apoiadora do projeto.

O oficial atua como um dos instrutores ao lado das também tenentes Camila Fernandes e Ana Rejani. Todos possuem experiência na área de artes marciais.

A primeira turma iniciou as aulas no dia 31 de novembro, com outros três encontros em dezembro, nos dias 7, 14 e no próximo 21. Cada um tem duração de oito horas e meia, totalizando 34 horas de ensino.

As aulas dividem-se entre técnicas de autodefesa e de inteligência emocional. "A ideia é reduzir ansiedade, estresse, medo. Fazemos simulações para garantir que elas [as alunas] tenham um controle para aplicar as técnicas [de autodefesa] de forma correta. A inteligência emocional é tão importante quanto a técnica", explica o tenente Velozo.

O policial destaca que várias alunas comentaram que empregaram os conceitos das aulas de inteligência emocional na vida cotidiana, desde o ambiente familiar até o de trabalho.

A inscrição e as aulas são gratuitas, e as vagas para a próxima turma, cujas aulas começarão em março de 2020, serão abertas entre janeiro e fevereiro pelo Instagram do projeto. Todas as aulas ocorrem na Academia de Educação Física da Polícia Militar de São Paulo, localizada na Avenida Cruzeiro do Sul, 548, no Canindé.

*Estagiário sob supervisão de Charlise Morais

Veja mais:

Mulheres que desafiam o machismo em rodas de capoeira

 

Estadão
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade