PUBLICIDADE

Injeção de ácido na pele reduz manchas causadas na gravidez

28 mar 2014 07h09
| atualizado em 2/4/2014 às 10h59
ver comentários
Publicidade

Bastante comuns no rosto, principalmente em áreas como bochecha, testa e queixo, as manchas provocadas pelas alterações hormonais típicas da gravidez e até mesmo pelo uso constante das pílulas anticoncepcionais podem ser atenuadas não só com a adoção de diferentes peelings, mas também pela aplicação de injeções de ácido tranexâmico.

Conhecida no meio médico por sua poderosa ação contra os melasmas, a substância consegue frear o aumento dos famosos melanócitos, que nada mais são do que as células responsáveis por produzir mais melanina e alterar a tonalidade da pele, provocando marcas escuras e amarronzadas que se alojam nas camadas mais profundas da derme, não somem totalmente e acabam reaparecendo quando há exposição ao sol de forma descuidada.

Realizado por meio da penetração de agulhas no tecido subcutâneo, o procedimento costuma causar um pequeno desconforto nas pacientes. Por isso,  no início da sessão, um creme anestésico é aplicado na região tratada para aliviar a incômoda sensação. “Logo após a injeção, o rosto pode ficar inchado, levemente avermelhado ou com algum pontinho roxo, mas não há com o que se preocupar, pois os efeitos são perfeitamente camuflados com o uso de maquiagem”, garante Carla Albuquerque, dermatologista membro da Sociedade Brasileira de Dermatologia (SBD).

Livre de contraindicações, o ativo pode ser aplicado em todos os tipos de pele. Quem deseja alcançar um resultado mais duradouro e satisfatório pode fazer até dez sessões, realizadas com intervalos de uma ou duas semanas, dependendo da necessidade de cada caso.

Diferentemente dos outros tratamentos estéticos que têm essa mesma finalidade, a injeção de ácido tranexâmico pode ser aderida em qualquer época do ano, inclusive em dias de muito calor. Eficiente, a técnica oferece resultados rápidos, que variam de acordo com organismo de cada pessoa, mas são geralmente observados a partir da terceira ou quarta sessão.

“Como o melasma é uma dermatose que não tem cura, mas pode ser controlado, vale lembrar que as pacientes que forem submetidas ao procedimento devem usar o protetor solar todos os dias para evitar que as manchas piorem novamente”, ressalta a especialista.

Utilizado com sucesso na forma injetável, a substância também pode ser encontrada nas formulações de cremes que, apesar de eficazes, ainda não oferecem os mesmos benefícios da versão tradicional.  

Serviço
Clínica Carla Alburqueque

http://www.carlaalbuquerque.com.br/

Fonte: Agência Hélice
Publicidade
Publicidade