PUBLICIDADE

Stellantis aposta em hidrogênio para reduzir emissões

Gigafábrica da Symbio iniciará produção em larga escala

5 dez 2023 - 13h25
(atualizado às 13h37)
Compartilhar
Exibir comentários

A Symbio, joint venture de divisão igualitária entre Forvia, Michelin e Stellantis, inaugurou nesta terça-feira (5) sua primeira gigafábrica, maior unidade integrada da Europa de produção de células de combustível de hidrogênio.

Chamada de SymphonHy, o local foi inaugurado em Saint-Fons, na região de Auvergne-Rhône-Alpes, na França. O centro é caracterizado por ser de excelência tecnológica e industrial.

O espaço inclui a sede do grupo, uma fábrica, um centro de inovação de escala sem precedentes e a Symbio Hydrogen Academy.

Com uma produção anual de 50 mil módulos de células de combustível, o SymphonHy abrirá caminho para a produção em larga escala. Ele faz parte do HyMotive, um projeto estratégico de um bilhão de euros para o desenvolvimento de uma tecnologia inovadora, apoiado pela União Europeia e pelo governo francês.

Ao longo de seu período de operação, o HyMotive criará pelo menos mil empregos.

Utilizando células de combustível da Symbio, a Stellantis alargará a sua oferta de hidrogênio para além das vans de tamanho médio já disponíveis na Europa, incluindo também vans grandes, picapes Ram e caminhões pesados para o mercado norte-americano.

"A Symbio é a prova de que três empresas de raízes francesas e líderes em seus respectivos campos podem unir forças e experiência para estar na vanguarda. A inauguração marca um passo importante, pois o hidrogênio faz parte do mix de tecnologias que estamos apresentando para os clientes de veículos comerciais", disse Carlos Tavares, CEO da Stellantis.

Symbio"A tecnologia é um alicerce do poderoso ecossistema de eletrificação que estamos desenvolvendo para apoiar nossa meta ousada de alcançar, até 2030, 100% das vendas de elétricos na Europa e 50% nos EUA. Como o propósito da Stellantis é 'liderar a maneira como o mundo se move', o hidrogênio contribuirá para alcançar nossa ambiciosa meta de carbono net zero até 2038, à frente da concorrência em nossa luta contra as mudanças climáticas", acrescentou. .

Ansa - Brasil   
Compartilhar
Publicidade
Publicidade