PUBLICIDADE

LinkedIn permitirá que maioria dos funcionários trabalhe remotamente

29 jul 2021 10h08
ver comentários
Publicidade

O LinkedIn permitirá que a maioria dos funcionários opte pelo trabalho remoto em tempo integral à medida que os escritórios reabrem gradualmente, disse a vice-presidente de recursos humanos da companhia, Teuila Hanson, à Reuters.

Logo da Vale
29/1/2019  REUTERS/Adriano Machado
Logo da Vale 29/1/2019 REUTERS/Adriano Machado
Foto: Reuters

Esta nova política da rede social profissional da Microsoft é uma reversão da indicação inicial da empresa em outubro passado, de que os funcionários deveriam trabalhar em um escritório 50% do tempo, quando as restrições à pandemia de Covid-19 aumentassem.

A política atualizada, que oferece aos funcionários a flexibilidade de trabalhar remotamente em tempo integral ou em um escritório em meio período, se aplicará à força de trabalho global do LinkedIn de mais de 16.000 funcionários.

"Prevemos que vamos ver definitivamente mais funcionários remotos do que vimos antes da pandemia", disse Hanson em uma entrevista na quarta-feira antes do anúncio, acrescentando que alguns empregos exigiriam trabalho interno.

Hanson disse que o LinkedIn não está exigindo que os funcionários sejam vacinados contra Covid-19 para voltar ao escritório, em contraste com empresas de tecnologia como Facebook e Google que responderam a um aumento nos casos de Covid-19 nos EUA exigindo imunização.

Os funcionários do LinkedIn que mudam de local podem ver seus salários ajustados com base no mercado local onde estão baseados, disse Greg Snapper, diretor de comunicações corporativas.

A indústria de tecnologia foi uma das primeiras a permitir que os funcionários trabalhassem em casa quando a Covid-19 chegou aos Estados Unidos no ano passado. Mas a extensão em que as empresas de tecnologia estão adotando o trabalho remoto permanente está agora divergindo.

O LinkedIn está reabrindo seus escritórios globais com base nas taxas de infecção do Covid-19 em cada local.

Reuters Reuters - Esta publicação inclusive informação e dados são de propriedade intelectual de Reuters. Fica expresamente proibido seu uso ou de seu nome sem a prévia autorização de Reuters. Todos os direitos reservados.
Publicidade
Publicidade