3 eventos ao vivo

Uber começa a fazer entregas de supermercado no Brasil

Serviço chega nesta terça-feira a 11 cidades brasileiras em parceria com a startup Cornershop, que foi comprada pela gigante americana em 2019 e opera no País desde janeiro; lançamento acirra concorrência com iFood e Rappi

7 jul 2020
09h10
  • separator
  • 0
  • comentários
  • separator

O Uber vai começar a oferecer nesta terça-feira, 7, um novo serviço no Brasil: entregas de supermercado. Disponível a partir desta data em onze cidades do País, o lançamento será feito em parceria com a startup chilena Cornershop, que foi comprada pela companhia de transporte por aplicativos em 2019 e, desde janeiro, opera no território nacional. Os pedidos poderão ser feitos por meio dos apps da empresa, Uber e UberEats, que passarão a ter a aba Mercado.

Nela, será possível escolher os itens por estabelecimento, navegar por "corredores virtuais" de uma loja favorita ou então fazer uma busca geral para comparar preços em diferentes lojas. Entre os parceiros do Uber, estão os supermercados Carrefour, BIG e Varanda, a rede de pet shops Cobasi e a loja de materiais de escritório e informática Gimba. Também será possível agendar o horário da entrega - a promessa é de que os itens podem chegar até duas horas depois do pedido, no mínimo.

Segundo a empresa, a atualização com a nova funcionalidade começará a chegar aos usuários que estão nas onze cidades a partir desta terça-feira e estará disponível para todos "ao longo das próximas semanas". O grupo de cidades em que o serviço de mercado estará disponível inclui São Paulo, Rio de Janeiro, Brasília, Belo Horizonte, Porto Alegre, Curitiba, Florianópolis, Salvador, Recife, Goiânia e Campinas. Para quem já usa o app da Cornershop, nada muda: ele seguirá com funcionamento independente, afirmaram as empresas.

Integração é apenas para consumidor, por enquanto

Além do Brasil, o lançamento ocorrerá simultaneamente em outros seis países da América Latina, onde a Cornershop disputa mercado com a colombiana Rappi. Por aqui, a disputa também acontecerá contra o iFood, que lançou serviço semelhante em 2019 e tem visto números de crescimento relevantes durante a pandemia do coronavírus.

É algo que não intimida o sueco Oskar Hjertonsson, fundador e presidente executivo da Cornershop. "Não focamos na concorrência e o Brasil tem sido o País com melhor desempenho que tivemos desde a estreia", disse ele durante sessão com jornalistas nesta segunda-feira, 6, da qual o Estadão participou.

A integração com o Uber deve impulsionar a Cornershop por aqui, diz Raj Bier, líder da área de Mercado do Uber Eats. "O Brasil é um dos nossos maiores mercados em termos de viagens e acredito que poderemos ter o mesmo impacto nesse novo serviço", afirmou o executivo. "É algo que já era importante para o consumidor antes da pandemia e se tornou ainda mais. É o novo normal, antes dele existir", complementou Daniel Danker, líder de produto do UberEats.

Por enquanto, a integração será apenas para os consumidores - as compras e as entregas serão de responsabilidade dos profissionais parceiros da Cornershop. "Os motoristas e entregadores do Uber que quiserem se inscrever serão bem-vindos. No futuro, vamos facilitar a integração entre os dois apps", disse Hjertonsson. Segundo ele, a preferência será para motoristas. "Podemos usar motos e bicicletas, mas a maior parte dos pedidos são grandes, então preferimos carros", afirmou o executivo.

Além de usar entregadores, a Cornershop também tem uma equipe de compradores parceiros, em um modelo muito semelhante ao que já é usado hoje pelo Rappi no País. Há um motivo técnico para a integração dos parceiros não acontecer neste momento, mesmo com a queda na demanda de viagens pelo Uber por causa da pandemia. Isso porque a conclusão da compra da Cornershop pelo Uber ainda depende de aprovações regulatórias em alguns países da América Latina - algo que a empresa espera que seja concluído nos próximos dias.

Durante a coletiva, o sueco deu a entender ainda que a América Latina é apenas o primeiro passo para a ambição global de sua empresa, que quer começar a operar nos Estados Unidos "dentro de algumas semanas".

Empresa quer dominar 'tudo relacionado a comida', diz consultor

Na visão de Sérgio Molinari, fundador da consultoria Food Consulting, o lançamento reforça a estratégia do Uber - e de seus concorrentes iFood e Rappi - de se tornarem soluções gerais para comida. "É algo que faz muito sentido porque é um negócio com muita recorrência, afinal, come-se ao menos três vezes por dia", afirma o consultor.

Segundo ele, a estratégia do Uber de apostar em integração e aquisição com serviços já existentes na região faz sentido. "É uma forma de diminuir a distância para as outras empresas. E é uma corrida contra o tempo: quem entra num novo mercado com rivais já consolidados tem de queimar muito dinheiro para ganhar espaço", diz.

O lançamento, afirma Molinari, também reforça a consolidação que o setor de comida por aplicativo está passando - nesta segunda-feira, 6, o Uber anunciou a aquisição da americana Postmates, em movimento que foi visto como resposta à compra do Grubhub pela JustEat, que é uma das acionistas do iFood. "Cada vez mais, o setor de entrega de comida mostra que quem quiser vencer precisa ter escala. Pode parecer uma disputa só americana, mas os principais membros dela já estão aqui no Brasil", diz. "Nós já estamos dançando a dança da consolidação também."

Veja também:

Startup cria algoritmo que detecta covid-19 com raio-x
Estadão
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade