0

Como pesquisadores brasileiros descobriram quase por acaso três novos aglomerados de estrelas

Cientistas da UFMG são os primeiros brasileiros a descobrirem aglomerados de estrelas a partir de imagens capturadas pelo satélite Gaia

15 mar 2019
15h57
atualizado às 16h23
  • separator
  • 0
  • comentários

Tão logo as imagens em alta definição capturadas pelo satélite Gaia, da Agência Espacial Europeia, foram divulgadas publicamente no ano passado, o físico mineiro Filipe Andrade Ferreira, de 27 anos, baixou os arquivos e começou a usar uma técnica elaborada por ele para identificar objetos em ambientes muito densos do espaço.

Pesquisadores do departamento de Física da UFMG identificaram três novos aglomerados de estrelas em movimento na Via Láctea e os batizaram em homenagem à universidade
Pesquisadores do departamento de Física da UFMG identificaram três novos aglomerados de estrelas em movimento na Via Láctea e os batizaram em homenagem à universidade
Foto: Getty Images / BBC News Brasil

Para a surpresa de Ferreira, que é doutorando em astrofísica na Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), a ferramenta não apenas funcionou como lhe permitiu um feito inédito: descobriu três novos aglomerados - clusters - de estrelas em movimento na Via Láctea.

Segundo o cientista, é a primeira vez que pesquisadores brasileiros descobrem aglomerados a partir das imagens do Gaia, lançado em 2013 e que, desde o ano passado, permite acessar imagens em 3D da galáxia da qual o sistema solar faz parte.

Ferreira conta que a descoberta foi quase por acaso. "Estava em casa numa tarde mexendo nos dados, não estava procurando aglomerados. Primeiro vi dois montinhos desconhecidos, o terceiro descobri depois. Fiquei empolgado, mas logo pensei que não podia ser possível. Perguntei: será mesmo que ninguém mais achou esses caras?", recorda o pesquisador que, depois de consultar bases de dados, mandou uma mensagem para o telefone do orientador. "Acho que descobri uns carinhas novos", escreveu.

Assim que recebeu a mensagem do aluno, o professor Wagner Corradi mobilizou a equipe do laboratório de astrofísica da UFMG para conferir se "os carinhas" eram mesmo novos aglomerados até então não identificados.

Além de Ferreira, que tem se dedicado a explorar áreas densas do Universo, e Corradi, que estuda onde nascem as estrelas, o laboratório conta com pesquisadores como Mateus Angelo e Francisco Maia, que estudam as estrelas mais jovens e as muito velhas, respectivamente - os quatro assinam a publicação junto com o também professor da UFMG João Francisco Santos.

Confirmada a descoberta, os pesquisadores correram para dar nome aos três aglomerados e para publicar os resultados do estudo.

O professor da UFMG Wagner Corradi e o doutorando Filipe Ferreira assinam, com outros três pesquisadores, artigo publicado na revista científica inglesa Monthly Notices of the Royal Astronomical Society
O professor da UFMG Wagner Corradi e o doutorando Filipe Ferreira assinam, com outros três pesquisadores, artigo publicado na revista científica inglesa Monthly Notices of the Royal Astronomical Society
Foto: Cortesia/Wagner Corradi / BBC News Brasil

Os aglomerados foram batizados em homenagem à universidade e os cinco pesquisadores da UFMG assinaram um artigo na edição de março da conceituada revista científica inglesa Monthly Notices of the Royal Astronomical Society.

"É uma descoberta importante porque foi de uma equipe de brasileiros totalmente radicados no Brasil, e mostra como investimento em pesquisa é fundamental", afirma Corradi, acrescentando que achados como o desses três aglomerados ajudam a entender melhor a evolução das galáxias bem como de onde viemos.

Centenas de estrelas

Corradi diz que a descoberta não foi meramente golpe de sorte. Salienta que o laboratório, a partir dos estudos de Filipe, criou uma metodologia que permite avaliar deslocamento de objetos e medir distâncias percorridas em zonas densas do Universo.

Além disso, afirma o professor, o aluno tem o mérito de ter "mergulhado" numa área considerada mais jovem para os parâmetros estelares, que normalmente é mais difícil de ser analisada.

Descoberta de aglomerados ajuda a entender melhor a evolução das galáxias
Descoberta de aglomerados ajuda a entender melhor a evolução das galáxias
Foto: Getty Images / BBC News Brasil

Cada um dos aglomerados identificados pelos pesquisadores brasileiros reúne mais de 200 estrelas ligadas por meio da gravidade.

O UFMG 1 tem cerca de 800 milhões de anos e está a 5,2 mil anos luz do Sol. Já o UFMG 2, o maior e mais velho dos aglomerados, existe há aproximadamente 1,4 bilhão de anos, tem 600 estrelas e está a uma distância de 4,8 mil anos luz. O UFMG 3, por sua vez, tem idade estimada em 100 milhões de anos e está a uma distância do Sol similar a do UFMG 2.

Um aglomerado é formado por estrelas que nasceram simultaneamente na mesma região, têm características físicas semelhantes e se movimentam de forma muito parecida.

Com o tempo, estrelas de aglomerados tendem a perder a conexão.

diagramas da regão NGC 5999, onde pesquisadores encontraram novos aglomerados de estrelas
diagramas da regão NGC 5999, onde pesquisadores encontraram novos aglomerados de estrelas
Foto: Monthly Notices of the Royal Astronomical Society / BBC News Brasil

Próximos passos

Depois da descoberta, os pesquisadores da UFMG pretendem explorar duas novas frentes.

Além de buscar mais detalhes desses três aglomerados, eles pretendem aplicar o método para procurar e catalogar novos grupos de estrelas que permanecem escondidos e sem identificação.

"Temos 40 possíveis candidatos", diz o professor Wagner Corradi, salientando a importância do trabalho do satélite Gaia para a astrofísica.

O satélite Gaia foi lançado com a missão de fazer uma espécie de "censo estelar" da Via Láctea. Durante cinco anos, coletou dados que estão sendo considerados como o mais completo catálago de estrelas já feito, segundo a Agência Espacial Europeia.

Trata-se do maior mapa em três dimensões da nossa galáxia feito a partir de informações recebidas por um satélite que já está provando ser revelador.

Os pesquisadores da UFMG Francisco Maia e Mateus Angelo também participaram da descoberta
Os pesquisadores da UFMG Francisco Maia e Mateus Angelo também participaram da descoberta
Foto: Cortesia/Wagner Corradi / BBC News Brasil

Segundo Corradi, apesar de pesquisadores de todo o mundo estarem debruçados sobre as imagens coletadas pelo Gaia, estima-se que apenas 1% das estrelas registradas serão medidas.

O equipamento mediu com alta precisão cerca de 1,7 bilhão de estrelas e revelou, de acordo com a ESA e, conforme indica a descoberta dos pesquisadores braisleiros, coletou detalhes da nossa galáxia nunca antes vistos.

Além de permitir novas descobertas de objetos no espaço, a astronomia, afirma o professor da UFMG, tem contribuído para avanços em outras áreas.

Por exemplo, câmeras de altíssima resolução com grande capacidade de processamento, desenvolvidas para a astronomia, foram usadas como base tecnológica para criar câmeras de celular de que hoje milhões de pessoas usufruem.

"Sabemos das dificuldades de financiamento, mas para avançar é preciso investir. Não teremos condições de evoluir na pesquisa sem apoio. O esforço da equipe que se dedicou ao Gaia é prova disso", avalia Wagner Corradi.

BBC News Brasil BBC News Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização escrita da BBC News Brasil.
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade