PUBLICIDADE

"Que esse lugar vá para o inferno", diz George Santos após expulsão do Congresso dos EUA

O republicano mantém certos privilégios dentro do Congresso. Uma vez que, ao contrário de outros casos, Santos ainda não foi condenado por um crime

1 dez 2023 - 18h31
(atualizado às 19h04)
Compartilhar
Exibir comentários

O agora ex-deputado republicano, George Santos, reagiu à sua expulsão do Congresso americano de uma forma inusitada: "Que esse lugar vá para o inferno." Em declaração à rede de televisão, CNN, o ex-deputado acrescentou: "A Câmara deu seu voto. Eles estabeleceram um novo precedente perigoso para si mesmos".

George Santos
George Santos
Foto: Divulgação/House of Representatives/USA / Perfil Brasil

Como fica

O republicano ainda vai manter privilégios dentro do Congresso. Diferentemente de outros casos, Santos ainda não foi condenado por um crime. Dessa forma, ele tem direitos de ex-membro da Câmara, ou seja, ele pode acessar as dependências do Congresso americano e usar os serviços de academia e salas de jantar.

Entretanto, Santos não pode participar de votações e decisões de plenário. Durante coletiva, o ex-deputado foi questionado se iria manter os privilégios. A resposta foi direta, Santos disse: "Por que eu iria querer ficar aqui? Que esse lugar vá para o inferno."

Ainda na coletiva, jornalista da rede norte-americana perguntou sobre o resultado da sua expulsão do Congresso.

"Eu não tinha mais cartas no jogo. Quer saber? Como não sou mais membro oficial do Congresso, eu não tenho mais que responder suas perguntas."

Entenda a expulsão

A Câmara dos Estados Unidos votou nesta sexta-feira (1º) pela expulsão (cassação de mandato) do deputado republicado George Santos, de Nova York, por violações éticas. A resolução exigia uma maioria de dois terços dos votos para ter sucesso.

Filho de brasileiros, George Santos também se tornou o primeiro membro do Congresso a ser expulso desde a Guerra Civil que não foi condenado por um crime. Na história americana, ele agora é o sexto legislador a perder o mandato.

Aos 35 anos, Santos, enfrentou acusações criminais de financiamento de campanha e admitiu ter mentido a respeito de grande parte de sua biografia. Uma investigação bipartidária do Congresso indicou que Santos teria gasto dinheiro de campanha em procedimentos estéticos como botox, produtos de marcas de luxo como Hermes e para uso no OnlyFans, uma plataforma online conhecida por conteúdo sexual.

Perfil Brasil
Compartilhar
Publicidade
Publicidade