PUBLICIDADE

Mundo

'Tem gente comendo ração e esquentando comida com velas': como é a pobreza no Reino Unido

Em partes do país, bolsões de pobreza foram exacerbados por altas históricas nos preços dos alimentos e da energia

10 dez 2022 - 09h04
(atualizado às 09h59)
Compartilhar
Exibir comentários
Em partes do Reino Unido, bolsões de pobreza foram exacerbados por altas históricas nos preços dos alimentos e da energia
Em partes do Reino Unido, bolsões de pobreza foram exacerbados por altas históricas nos preços dos alimentos e da energia
Foto: BBC News Brasil

O aumento da pobreza no Reino Unido está levando pessoas a se alimentarem com ração, enquanto outras estão aquecendo comida no radiador de calefação ou com velas.

A denúncia foi feita por Mark Seed, diretor de um projeto comunitário de alimentação em Trowbridge, no leste de Cardiff, capital do País de Gales.

Análise da BBC dos dados do Censo britânico de 2021 indica que seis das comunidades mais carentes do País de Gales, uma das quatro nações que compõem o Reino Unido, estão naquele distrito.

No entanto, ONGs advertem que famílias em dificuldades não se encontram apenas em áreas há muito associadas à pobreza e pede que as políticas se concentrem nas pessoas, e não nos lugares.

A situação em Cardiff retrata um cenário desafiador que muito enfrentam no Reino Unido por causa do aumento da inflação — relatos como o de Seed se somam aos de muitos outros cidadãos que vivem em diferentes partes do país.

Milhões de pessoas no Reino Unido estão atualmente na encruzilhada de decidir se comem ou pagam as contas de luz e calefação
Milhões de pessoas no Reino Unido estão atualmente na encruzilhada de decidir se comem ou pagam as contas de luz e calefação
Foto: Getty Images / BBC News Brasil

Quase um terço das mães ou pais solteiros está pulando uma das refeições do dia para sobreviver, segundo um levantamento recente do grupo Which? sobre as famílias mais atingidas pela crise inflacionária no país.

Membros de três em cada 10 famílias monoparentais entrevistados disseram que pularam uma refeição como resultado do aumento dos preços dos alimentos. No total, a mesma situação ocorre em 14% dos domicílios que participaram do estudo.

"As famílias em todo o Reino Unido estão enfrentando dificuldades devido ao aumento do custo de vida, sendo as famílias monoparentais as mais afetadas pela crise", diz Rocío Concha, diretora de política e ativismo da Which? ao jornal britânico The Guardian.

'Arco da pobreza'

Trowbridge fica no que Seed chama de "arco da pobreza" de leste a oeste de Cardiff.

Muitas pessoas na cidade galesa de Cardiff estão lutando para comer e se aquecer neste inverno devido à inflação, diz Seed
Muitas pessoas na cidade galesa de Cardiff estão lutando para comer e se aquecer neste inverno devido à inflação, diz Seed
Foto: BBC News Brasil

"Ainda fico impressionado com as pessoas comendo ração", diz ele.

"[Há] pessoas que tentam aquecer a comida no radiador ou com uma vela. São histórias verídicas chocantes", acrescenta.

"Cardiff é uma cidade próspera, mas tem bolsões de pobreza que são simplesmente inaceitáveis ", diz Seed, que relata que as pessoas não ganham o suficiente para pagar pelo essencial.

A crise inflacionária só agravou a situação.

"[As pessoas] nos dizem que trabalham todas as horas que podem", explica ele.

The Pantry, o banco de alimentos administrado por Seed, oferece comida de boa qualidade a preços muito baixos para mais de 160 pessoas.

Organização Pantry fornece cestas básicas para cerca de 30 famílias por semana por cerca de R$ 32
Organização Pantry fornece cestas básicas para cerca de 30 famílias por semana por cerca de R$ 32
Foto: BBC News Brasil

Uma delas é Elizabeth Williams, de 54 anos, que diz que o projeto "faz uma grande diferença" e aproxima as pessoas, mas admite que sua situação está muito difícil.

"Normalmente, tento não gastar para melhorar as coisas na minha casa", diz ela.

Ela e o companheiro não trabalham, enquanto o filho, que mora com eles, trabalha muitas horas.

"Mesmo com meu filho trabalhando e contribuindo, é difícil, porque ele também tem que viver e tem necessidades. Ele tem vários problemas e está aguardando uma cirurgia", diz.

Pobreza nem sempre é evidente e, nesses casos, é muito mais difícil combatê-la, alertam especialistas
Pobreza nem sempre é evidente e, nesses casos, é muito mais difícil combatê-la, alertam especialistas
Foto: Getty Images / BBC News Brasil

Durante décadas, o oeste de Gales e a região dos vales receberam financiamento adicional da União Europeia (UE) porque estavam entre as regiões mais pobres da Europa, mas Cardiff não era incluída porque, em termos de padrão de vida médio, não é considerada uma região carente.

Victoria Winckler, diretora da ONG galesa The Bevan Foundation, alerta sobre os perigos de estereotipar grandes áreas ou cidades como carentes ou prósperas.

"O estereótipo é que Cardiff é próspera e os vales são pobres, mas os números mostram que não é bem assim", diz ela.

"Há áreas de Cardiff que são prósperas, sim, mas também há áreas bastante significativas da capital galesa onde as pessoas não vivem tão bem", acrescenta.

Cartaz de papelão diz, em inglês: 'Estou com muita fome. Ajude. Deus te abençoe.'
Cartaz de papelão diz, em inglês: 'Estou com muita fome. Ajude. Deus te abençoe.'
Foto: Getty Images / BBC News Brasil

Para a organização, é fundamental que os supermercados garantam que os preços sejam fáceis de comparar e que haja variedade de oferta para diferentes orçamentos.

"Como os preços continuam subindo, é fundamental que todas as pessoas tenham acesso a alimentos saudáveis e acessíveis para elas e suas famílias", acrescenta Concha, da Which?.

Os últimos dados oficiais mostram que a inflação de alimentos no Reino Unido atingiu 16,4% em outubro, nível mais alto desde 1977.

Isso se deve principalmente ao forte aumento de produtos da cesta básica, como leite, manteiga, queijo, massas e ovos.

Bancos de alimentos proliferaram no Reino Unido nos últimos anos
Bancos de alimentos proliferaram no Reino Unido nos últimos anos
Foto: Getty Images / BBC News Brasil

Os domicílios monoparentais e os aposentados destinam parcela maior de sua renda à alimentação, eletricidade e gasolina, cerca de 30%. Para casais com filhos, esse percentual cai para 25%, segundo cálculos oficiais.

No entanto, todas as famílias estão gastando significativamente mais do que no ano passado em produtos essenciais.

Uma mulher de 40 anos disse aos entrevistadores que, devido ao custo de suas contas, em algumas semanas ela mal consegue alimentar os filhos.

Outra pessoa acrescentou: "Não estou comendo adequadamente para poder alimentar e vestir meus filhos e ainda ter o suficiente para (pagar pela) eletricidade."

Segundo dados revelados esta semana pela Confederação da Indústria Britânica, a economia do Reino Unido caminha para uma contração de 0,4% no próximo ano devido à inflação e ao receio das grandes empresas em investir.

- Este texto foi publicado em https://www.bbc.com/portuguese/internacional-63876850

BBC News Brasil BBC News Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização escrita da BBC News Brasil.
Compartilhar
Publicidade
Publicidade