8 eventos ao vivo

Observatório Sírio diz ter "confirmado informação" sobre morte de líder do Estado Islâmico

11 jul 2017
13h50
  • separator
  • comentários

O Observatório Sírio para Direitos Humanos disse à Reuters nesta terça-feira que "confirmou a informação" de que o líder máximo do Estado Islâmico, Abu Bakr al-Baghdadi, foi morto.

Líder do Estado Islâmico, Abu Bakr al-Baghdadi, em mesquita de Mosul, em imagem publicada na internet em 5 de julho de 2014 REUTERS/Rede social via Reuters TV
Líder do Estado Islâmico, Abu Bakr al-Baghdadi, em mesquita de Mosul, em imagem publicada na internet em 5 de julho de 2014 REUTERS/Rede social via Reuters TV
Foto: Reuters

O Ministério de Defesa da Rússia disse em junho que poderia ter matado Baghdadi quando um de seus ataques aéreos atingiu um encontro de comandantes do Estado Islâmico nas redondezas da cidade síria de Raqqa, mas os Estados Unidos disseram não poder corroborar a morte e autoridades do Iraque se mostraram céticas quanto à informação.

A Reuters não pôde verificar a morte de Baghdadi de maneira independente.

"Confirmamos informações de líderes, incluindo um da primeira hierarquia, do Estado Islâmico na zona rural no leste de Deir al-Zor", disse o diretor do grupo de monitoramento da guerra sediado no Reino Unido, Rami Abdulrahman, à Reuters.

A morte de Baghdadi já foi anunciada muitas vezes anteriormente, mas o Observatório tem um histórico de relatos confiáveis sobre a guerra civil na Síria.

Abdulrahman disse que fontes do Observatório na cidade síria de Deir al-Zor foram informadas por fontes do Estado Islâmico sobre a morte de Baghdadi, "mas eles não especificaram quando".

Autoridades iraquianas e curdas não confirmaram a morte. O Departamento de Defesa dos Estados Unidos disse não ter nenhuma informação imediata para corroborar a morte de Baghdadi.

Sites afiliados ao Estado Islâmico e contas de redes sociais não publicaram nenhuma notícia sobre a possível morte do líder.

A morte de Baghdadi, que declarou um califado em discurso proferido em uma mesquita na cidade iraquiana de Mosul em 2014, seria um dos maiores golpes já sofridos pelo grupo jihadista, que está tentando defender seu território cada vez menor na Síria e no Iraque.

Reuters Reuters - Esta publicação inclusive informação e dados são de propriedade intelectual de Reuters. Fica expresamente proibido seu uso ou de seu nome sem a prévia autorização de Reuters. Todos os direitos reservados.

compartilhe

comente

  • comentários
publicidade
publicidade