PUBLICIDADE

Jornal pró-democracia de Hong Kong vai encerrar atividades

'Apple Daily' teve 5 diretores presos e bens congelados

23 jun 2021 10h59
| atualizado às 11h11
ver comentários
Publicidade

O tabloide pró-democracia "Apple Daily" anunciou nesta quarta-feira (23) que publicará sua última edição no dia 24 de junho. O jornal de Hong Kong vem sendo alvo de investigações da autoridades locais e foi palco de uma grande operação na última semana, que culminou com a prisão de cinco diretores e o congelamento de mais de 18 milhões de dólares locais de ativos.

Conforme o "Apple Daily", a decisão foi tomada pensando na "segurança dos funcionários". "Obrigado a todos os leitores, assinantes, anunciantes e cidadãos por 26 anos de amor e apoio intenso", publicou o jornal em seu site.

O jornal foi fundado pela magnata Jimmy Lai em 1995 e, nos últimos anos, o empresário foi alvo de diversas acusações das autoridades chinesas. Atualmente, ele está preso.

No entanto, após atacar o fundador, com base na polêmica nova lei de segurança nacional, Hong Kong virou suas ações contra o "Apple Daily" em si.

Em nota, o Serviço de Ação Externa da União Europeia, afirmou que a decisão do jornal de encerrar as atividades mostra como a nova legislação faz com que Pequim "sufoque a liberdade de imprensa e a livre expressão de opiniões".

"O seu fechamento mina seriamente a liberdade e o pluralismo da mídia, que são essenciais para qualquer sociedade aberta e livre. A erosão da liberdade de imprensa é também contrária às aspirações de Hong Kong como centro comercial internacional", disse ainda o órgão.

Quem também se manifestou foi o governo do Reino Unido que "condenou duramente" a decisão, tomada por conta da "luta contra o dissenso imputada" pela China com a lei de segurança nacional.

Para o Foreign Office, a legislação está tendo "efeitos assustadores" na liberdade de imprensa. .
   

Ansa - Brasil   
Publicidade
Publicidade