PUBLICIDADE

Ucrânia anuncia cessar-fogo, mas "guerra" continua

Poroshenko disse que acordo foi feito com o presidente russo, Vladimir Putin, que negou a afirmação

3 set 2014 07h16
| atualizado às 10h26
ver comentários
Publicidade
<p>O porta-voz do Kremlin confirmou que Putin discutiu com Poroshenko uma solução para o conflito na Ucrânia, mas negou que se tratasse de um cessar-fogo, já que "a Rússia não é parte do conflito"</p>
O porta-voz do Kremlin confirmou que Putin discutiu com Poroshenko uma solução para o conflito na Ucrânia, mas negou que se tratasse de um cessar-fogo, já que "a Rússia não é parte do conflito"
Foto: AP / BBC News Brasil

O presidente ucraniano, Petro Poroshenko, anunciou nesta quarta-feira um cessar-fogo permanente na região do leste da Ucrânia. No entanto, a guerra de informação entre os dois lados do combate não demonstra sinais de fim das animosidades.

Durante todo o dia, apesar do anúncio da trégua, o canal Ukraine Today (Ucrânia Hoje, em tradução livre) exibiu reportagens de forte teor crítico ao Kremlin e ao presidente russo, Vladimir Putin, acusado pelo governo de Kiev de apoiar a insurgência no leste do país.

Ukraine Today foi lançado no fim de agosto, coincidindo com o dia da independência da Ucrânia (24), e é o primeiro canal ucraniano internacional de notícias. O canal pode ser visto pela Internet, em inglês. Apesar de ainda não contar com estúdios nem apresentadores, o Ukraine Today narra “a partir da perspectiva ucraniana” reportagens feitas por televisões associadas. “O foco é a atualidade ucraniana, (...) incluindo a integração à União Europeia, as relações da Rússia com a Europa e os EUA, a defesa dos valores europeus na Ucrânia e na prória UE e os desafios na construição de uma nação do século 21”, segundo a própria página-web da televisão.

Poroshenko anunciou cessar-fogo nesta quarta-feira
Poroshenko anunciou cessar-fogo nesta quarta-feira
Foto: RT / Reprodução

Do lado russo, o principal veículo internacional do país, o canal Russia Today (Rússia Hoje, em tradução livre), salientou em suas reportagens que o cessar-fogo declarado pela Ucrânia foi alcançado após a conversa por telefone entre Poroshenko e Putin. A conversa telefônica entre os dois presidentes foi confirmada por ambas as partes.

Paralelamente à notícia do cessar-fogo, o canal destacou a confirmação anunciada hoje da morte do fotógrafo russo, Andrei Stenin, desaparecido desde o início de agosto na Ucrânia. “Stenin morto pelo exército ucraniano” foi uma das legendas utilizadas pelo canal Russia Today.

No mês passado, a Ucrânia bloqueou 14 canais a cabo da Rússia, com o objetivo de “parar a transmissão de propaganda de guerra e violência (feita pela televisão russa)”, segundo o Ministério do Interior ucraniano.  “Como um Estado soberano e independente, a Ucrânia pode e deve proteger sua mídia da agressa da Rússia, que deliberadamente incita o ódio e a discórdia”, declarou o Ministério. A televisão russa insiste em sua linha editorial que o atual governo de Kiev é controlado por uma “junta fascista” e que recebe apoio do Ocidente.

Por outro lado, no leste da Ucrânia, governado pelos separatistas pró-Rússia desde abril, os canais ucranianos foram bloqueados e a televisão só exibe canais russos e um novo canal local.

Nesta terça-feira, a diretora-executiva do canal Ukraine Today, Tetiana Pushnova, foi convidada para falar ao vivo para o canal Russia Today. Em um ato político, Pushnova acusou de maneira veemente o canal russo de ser responsável pela morte de milhares (de pessoas) na Ucrânia. Em seguida, Pushnova colocou diante das câmeras russas a frase “Russia Today, páre de mentir”. A entrevista foi interrompida e a apresentadora do canal russo lamentou o incidente.

A televisão tem desempenhando um papel fundamental na percepção pública do conflito no leste do país. O russo é o idioma nativo de 33% dos ucranianos, mas pelo menos 52% da população usa o russo como principal idioma de comunicação, o que explica a importância da mídia russa no país. Nas regiões de Donetsk e Luhansk, no leste do país, 87,8 % e 85,3% da população, respectivamente, têm o russo como primeiro idioma.

Entenda a crise na Ucrânia Entenda a crise na Ucrânia

Fonte: Especial para Terra
Publicidade
Publicidade