0

Áustria prende 'noivas' de militantes do Estado Islâmico

Os pais das adolescentes entregaram o telefone da menina de 16 anos às autoridades austríacas quando ela desapareceu em dezembro

11 jan 2015
17h32
atualizado às 21h10
  • separator
  • 0
  • comentários
  • separator
<p>&Aacute;rea de confronto entre mil&iacute;cias iraquianas e o &#39;Estado Isl&acirc;mico&#39;</p>
Área de confronto entre milícias iraquianas e o 'Estado Islâmico'
Foto: EPA / Copyright

A Áustria deteve duas adolescentes depois que elas tentaram viajar para a Síria para se casar com militantes do grupo jihadista Estado Islâmico (EI), disse um porta-voz da procuradoria neste domingo.

As meninas, com idades entre 16 e 17 anos, foram enviadas de volta para a Áustria, da Romênia, onde foram apreendidas pelas autoridades em um trem em 30 de dezembro, quando tentavam chegar à Síria para se casar com militantes do EI no país.

Cerca de 170 pessoas, muitas do Leste da Europa, viajaram para o Oriente Médio a partir da Áustria para se juntar a grupos de militantes islâmicos, de acordo com o Ministério do Interior.

Autoridades austríacas em outubro detiveram por acusações relacionadas ao terrorismo um menino de 14 anos que estava supostamente planejando viajar para a Síria e havia pesquisado na Internet como construir bombas.

Os pais das adolescentes entregaram o telefone da menina de 16 anos às autoridades austríacas quando ela desapareceu em dezembro. Dados obtidos a partir de uma aplicação de chat russo no telefone da adolescente mostraram conversas sobre os planos das meninas, disse um porta-voz dos procuradores em Salzburgo.

As meninas foram detidas em suas casas em Salzburg e na província da Alta Áustria depois que voltaram da Romênia. Elas tinham origem bósnia e chechena, de acordo com a agência de notícias APA.

Veja também:

Drone captura destruição após terremotos na Croácia
Reuters Reuters - Esta publicação inclusive informação e dados são de propriedade intelectual de Reuters. Fica expresamente proibido seu uso ou de seu nome sem a prévia autorização de Reuters. Todos os direitos reservados.
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade