PUBLICIDADE

EUA: suspeita de bomba evacua prédios próximos ao Capitólio

Segundo as autoridades locais, um veículo suspeito estacionou próximo à Biblioteca do Congresso e pode ter explosivos em seu interior

19 ago 2021 12h40
| atualizado às 16h07
ver comentários
Publicidade

A polícia de Washington evacuou a área próxima ao Capitólio, a sede da Suprema Corte dos Estados Unidos e alguns prédios públicos nesta quinta-feira, 19, por conta da suspeita de bomba, informaram as autoridades locais.

No início da tarde, O homem se rendeu e foi detido pela polícia. O suspeito, identificado como Floyd Ray Roseberry, tem 50 anos e é natural de Grover, na Carolina do Norte. Imagens divulgadas pela mídia mostram Roseberry defendendo o retorno do ex-presidente Donald Trump ao poder. "A revolução chegou Joe Biden", disse ele.

O prédio do Capitólio foi fechado para visitantes e as pessoas levadas para partes seguras da estrutura. Já o Congresso está vazio porque essa é uma semana de férias.

Prédio do Capitólio em Washington - 31/07/2021. 
REUTERS/Elizabeth Frantz
Prédio do Capitólio em Washington - 31/07/2021. REUTERS/Elizabeth Frantz
Foto: Reuters

Segundo os agentes, um veículo suspeito estacionou próximo à Biblioteca do Congresso e poderia ter explosivos em seu interior.

Segundo informações da mídia norte-americana, o homem teria feito uma transmissão por Facebook mostrando os explosivos.

Dezenas de agentes isolaram a área, em um local que já estava recebendo uma proteção especial desde a invasão do Capitólio em 6 de janeiro por apoiadores do então presidente Donald Trump. O ataque resultou em cinco mortes.

Em 2 de abril, um policial foi morto e outro ferido após um homem lançar seu carro contra as barreiras de proteção instaladas no local.

Times Square

Ao menos duas ruas próximas à Times Square, em Nova York, também foram fechadas após outra suspeita de bomba. Um homem lançou um objeto contra turistas, mas a princípio, não se trata de um explosivo. Porém, como havia ameaça semelhante na capital Washington, as equipes antibomba também atuaram em Nova York para verificar a bolsa lançada.

Ansa - Brasil   
Publicidade
Publicidade