PUBLICIDADE

Casos de covid nos EUA atingem nível mais alto em 6 meses

A variante Delta tem se alastrado por áreas onde as pessoas não foram vacinadas

5 ago 2021 16h05
| atualizado às 16h30
ver comentários
Publicidade
Fila para testagem de covid-19 na Flórida
Fila para testagem de covid-19 na Flórida
Foto: Octavio Jones / Reuters

Os Estados Unidos atingiram o número mais alto de novos casos de covid-19 em seis meses ao passar de 100 mil infecções relatadas na quarta-feira, 4, de acordo com uma contagem da Reuters, enquanto a variante Delta se alastra por áreas onde as pessoas não foram vacinadas.

O país está relatando 94.819 casos na média de sete dias, um aumento de cinco vezes em menos de um mês, mostraram dados da Reuters até quarta-feira. A média de sete dias fornece o quadro mais preciso do quão rápido os casos estão aumentando, já que alguns Estados só relatam infecções uma vez por semana ou só nos dias úteis.

Sete Estados com as taxas de vacinação contra covid-19 mais baixas - Flórida, Texas, Missouri, Arkansas, Louisiana, Alabama e Mississippi - responderam por cerca de metade dos casos novos e hospitalizações do país na última semana, disse o coordenador da Casa Branca contra a Covid-19, Jeff Zients, aos repórteres nesta quinta-feira.

Nas próximas semanas, os casos podem chegar a 200 mil por dia devido à variante Delta altamente contagiosa, disse o doutor Anthony Fauci, o principal especialista em doenças infecciosas dos EUA, também na quarta-feira.

"Se aparecer outra que tenha uma capacidade igualmente alta de se transmitir, mas que também seja muito mais grave, realmente podemos estar encrencados", disse Fauci em uma entrevista à empresa de notícias McClatchy. "As pessoas que não estão sendo vacinadas pensam equivocadamente que só se trata delas. Mas não se trata. Trata-se de todos os outros, também."

Para combater a disparada causada pela Delta, os EUA planejam dar vacinas de reforço contra a covid-19 aos norte-americanos com sistemas imunológicos comprometidos, disse Fauci nesta quinta-feira.

Ao fazê-lo, os EUA se somam a Alemanha e França, desconsiderando um apelo da Organização Mundial da Saúde (OMS) para não administrarem vacinas de reforço até mais pessoas de todo o mundo serem vacinadas.

Reuters Reuters - Esta publicação inclusive informação e dados são de propriedade intelectual de Reuters. Fica expresamente proibido seu uso ou de seu nome sem a prévia autorização de Reuters. Todos os direitos reservados.
Publicidade
Publicidade