PUBLICIDADE

Poder eleitoral venezuelano se defende de críticas dos EUA

17 mar 2013 21h46
| atualizado às 22h07
ver comentários
Publicidade

O Conselho Nacional Eleitoral da Venezuela (CNE) defendeu-se neste domingo dos pedidos de transparência e justiça feitos pelo Departamento de Estado americano nas próximas eleições, e garantiu a "solidez e a integridade" do sistema de votações no país.

"Na Venezuela temos um sistema eleitoral que garante a decisão soberana dos eleitores porque é auditado em todas as suas fases. Nos Estados Unidos, o sistema não é auditado", replicou a presidente do CNE, Tibisay Lucena, a jornalistas.

"A solidez e a integridade do sistema eleitoral venezuelano se baseia em todas as auditorias", acrescentou a encarregada, ao ler um comunicado do CNE. Segundo Lucena, o sistema eleitoral venezuelano "é um dos mais abertos do mundo. Mais de 3 mil observadores internacionais em 17 processos é um fato político".

Uma fonte do Departamento de Estado pediu na quarta-feira que se celebrassem eleições justas e livres na Venezuela, e disse que os Estados Unidos insistirão em temas, como o livre acesso de observadores internacionais neste processo.

Os venezuelanos votarão em 14 de abril para eleger um novo presidente, depois da morte de Hugo Chávez, após perder uma luta de 20 meses que travou contra o câncer.

Aspiram ao cargo Nicolás Maduro, herdeiro político apontado por Chávez, e o governador da oposição Henrique Capriles, derrotado por Chávez nas eleições de 7 de outubro passado.

AFP Todos os direitos de reprodução e representação reservados. 
Publicidade
Publicidade