PUBLICIDADE

Mais de 80 líderes mundiais são esperados em funeral de Mandela

Mandela, primeiro presidente negro da história sul-africana, morreu na quinta-feira, aos 95 anos

9 dez 2013 07h40
| atualizado às 14h53
ver comentários
Publicidade

Chefes de Estado e de governo e reis e príncipes herdeiros de mais de 83 países confirmaram que participarão dos funerais de Nelson Mandela, embora mais governantes anunciaram que irão a algum dos vários atos de homenagem ao ex-presidente sul-africano.

Pelo menos 83 delegações de altos representantes de nações reconhecidas pela África do Sul estão confirmadas pelo Ministério de Relações Internacionais e Cooperação, segundo a lista apresentada nesta segunda-feira em seu site. O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, que anunciou sua presença, ainda ainda não figura na lista.

A comitiva brasileira terá a presença da presidente Dilma Rousseff. Os ex-presidentes José Sarney, Fernando Collor, Fernando Henrique Cardoso e Luiz Inácio Lula da Silva também anunciaram sua participação.

O secretário-geral das Nações Unidas, Ban Ki-moon, confirmou sua presença. Já a China enviará seu vice-presidente, Li Yuanchao.

Já entre os representantes de países europeus figuram o presidente francês, François Hollande, e os chefes de governo britânico, David Cameron; espanhol, Mariano Rajoy, e italiano, Enrico Letta.

De Cuba irá Raúl Castro; da Venezuela, Nicolás Maduro; do México, Enrique Peña Nieto. O presidente interino da Argentina, Amado Boudou, confirmou presença, e assim como o vice-presidente colombiano, Angelino Garzón.

A União Europeia, bem como a União Africana e a Liga Árabe também enviarão seus representantes. Além disso, estarão presentes membros das famílias reais européias.

Mais de 34 de países africanos confirmaram a presença de seus chefes de Estado, entre eles os mais veteranos do continente, Teodoro Obiang Nguema, da Guiné Equatorial; e Robert Mugabe, do Zimbábue.

O papa Francisco nomeou o cardeal ganês Peter Kodwo Appiah Turkson, presidente do Pontifício Conselho da Justiça e a Paz, seu enviado especial nos funerais de Mandela.

Também comunicaram sua presença ex-governantes como Bill Clinton e George W. Bush, dos Estados Unidos, e Andrés Pastrana, da Colômbia, assim como Tony Blair, Gordon Brown e John Major, ex-primeiros-ministros do Reino Unido.

Mandela morre aos 95 anos
Nelson Mandela morreu na noite de 5 de dezembro. Há meses ele combatia uma infecção pulmonar. Logo após o presidente sul-africano, Jacob Zuma, anunciar oficialmente o falecimento, líderes mundiais prestaram homenagem ao principal líder da luta contra o apartheid na África do Sul. A presidente Dilma Rousseff lembrou Mandela como a principal personalidade do século XX. O americano Barack Obama disse que Mandela "conseguiu mais do que se poderia esperar de qualquer homem".

No dia seguinte, jornais de todo o mundo repercutiram a notícia da morte em suas páginas. Milhares de sul-africanos se reuniram em frente a suas residências, ou em lugares que ele morou, para homenagearem o heroi nacional. No início da tarde, o presidente Zuma confirmou que a programação do funeral de Mandela durará 10 dias. Ele será enterrado em seu vilarejo natal, Qunu, no dia 15 de dezembro.

<a data-cke-saved-href="http://noticias.terra.com.br/mundo/infograficos/nelson-mandela/iframe.htm" href="http://noticias.terra.com.br/mundo/infograficos/nelson-mandela/iframe.htm">veja o infográfico</a>
EFE   
Publicidade
Publicidade