PUBLICIDADE

Moraes manda procuradoria eleitoral analisar ataque de deputado a jornalista

Presidente do Tribunal Superior Eleitoral destaca a 'gravidade do ocorrido' e determina que sejam tomadas as 'providências necessárias'

14 set 2022 - 23h06
(atualizado às 23h18)
Compartilhar
Exibir comentários
Agressão verbal ocorreu ao final de debate para governo de São Paulo
Agressão verbal ocorreu ao final de debate para governo de São Paulo
Foto: Reprodução

O presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), ministro Alexandre de Moraes, pediu na noite desta quarta-feira, 14, que a Procuradoria Eleitoral de São Paulo investigue o deputado estadual Douglas Garcia (Republicanos-SP) após atacar a jornalista Vera Magalhães.

O magistrado mandou o despacho ao vice-procurador-geral Eleitoral, Paulo Gustavo Gonet Branco, e determinou que sejam tomadas as "providências necessárias".

"Considerada a gravidade do ocorrido, determino o encaminhamento do referido link da matéria ao Excelentíssimo Senhor Vice-Procurador-Geral Eleitoral para que possa dar o devido encaminhamento ao Procurador Regional Eleitoral de São Paulo, com o objetivo de ser analisada eventuais providências que entender necessárias", escreveu o presidente do TSE.

Uma investigação criminal já foi aberta pelo Ministério Público de São Paulo. A Assembleia Legislativa do Estado também deve abrir um processo que pode resultar na cassação do deputado.

Entenda o caso

Douglas Garcia abordou Vera Magalhães na saída do debate para governo de São Paulo e afirmou que ela é "uma vergonha para o jornalismo brasileiro", proferindo acusações sobre a vida profissional da apresentadora.

Ele repetiu a fake news de que ela receberia R$ 500 mil por ano do governo de São Paulo para criticar o presidente Jair Bolsonaro (PL). Vera gravou a situação e ambos começaram a discutir. Em determinado momento, o diretor da emissora, Leão Serva, entrou na briga e arremessou o celular do deputado para longe.

Nesta quarta-feira, 14, Garcia afirmou que não se arrepende de sua atitude e acredita não dever desculpas à jornalista, mas, sim, ao candidato ao governo de São Paulo Tarcísio de Freitas (Republicanos).

O parlamentar disse ter feito boletim de ocorrência contra Vera por calúnia, por ela ter usado o termo "agressão" para se referir ao ocorrido. Segundo Garcia, o que ele fez foi um "questionamento legítimo".

Vera publicou um vídeo nas redes sociais afirmando que também vai registrar um boletim de ocorrência contra o deputado. "Essa violência já foi longe demais e não é tolerável na democracia", disse. "Eu não vou me intimidar diante desses ataques sistemáticos, institucionalizados, cada vez mais violentos".

A jornalista se tornou alvo dos apoiadores do presidente Jair Bolsonaro após questionar o chefe do Executivo, durante debate da Band TV de 28 de agosto, sobre a compra de vacinas contra a covid. Na ocasião, o presidente a hostilizou e disse que ela é uma "vergonha para o jornalismo".

*Com informações do Estadão Conteúdo

Fonte: Redação Terra
Compartilhar
Publicidade
Seu Terra












Publicidade