1 evento ao vivo

A logística e a máquina humana - Uma relação entre o abastecimento do mercado e o maior complexo logístico que existe: o corpo humano

Nenhuma máquina chega perto da perfeição humana. É um projeto de espetacular engenharia e logística.

25 jun 2018
13h38
atualizado às 19h03
  • separator
  • comentários

Nenhuma máquina chega perto da perfeição humana. É um projeto de espetacular engenharia e logística. O ar é o combustível indispensável para a vida e precisa ser distribuído por todo o corpo. Depois de ser captado pelos pulmões, é despejado na corrente sanguínea para que o transporte de oxigênio ocorra.

Foto: DINO

O operador logístico é o coração. Uma batida envia sangue fresco e oxigenado dos pulmões até o coração, responsável por fazer todo o sistema do corpo humano circular com 4 litros de sangue que percorrem 96 mil quilômetros de vias entre artérias, veias e capilares, sendo a infraestrutura logística perfeita que permite que o sangue percorra o corpo todo em menos de 1 minuto.

Não há possibilidade de perda de tempo. O layout da natureza humana segue um desenho primoroso que permite a sincronia ideal para sustentar a operação, armazenar estrategicamente, reduzir o desgaste e aumentar a velocidade de entrega, de forma harmônica, ritmada e constante. O grande centro de distribuições humano é o coração, que dita o ritmo de trabalho. Mantendo sua batida e sua sincronia, o corpo (ou a empresa) terão excelentes resultados no seu processo logístico.

O sangue é o grande distribuidor do oxigênio e dos outros elementos fundamentais para o funcionamento do corpo humano, como nutrientes, hormônios e anticorpos. Uma equipe de 30 trilhões de células vermelhas, presentes no corpo de um adulto, faz o papel da entrega do oxigênio e a coleta do gás carbônico nos consumidores finais, as células e órgãos. O que é recolhido é levado de volta ao sangue pelas veias subclávias, que fazem a logística reversa dos elementos que o corpo não mais necessita. Neste ciclo reverso, o gás carbônico é devolvido aos pulmões, ou seja, ao operador logístico de origem, para que este faça o seu devido descarte.

Todo esse constante movimento de circulação gera energia, e, sem ela, o corpo não teria calor suficiente para se manter em atividade. Assim como o corpo humano, o abastecimento de um país ou de uma nação depende diretamente da logística. No caso do corpo, sem a logística do Sistema Circulatório, há possibilidade de doenças e deterioração dos tecidos e órgãos ou até mesmo perda da própria vida. Já no caso de uma empresa, não contar com uma gestão organizacional que coordene o processo logístico, não ter um layout de armazenagem que colabore com a movimentação dos pedidos, organização da cadeia de suprimentos, uma estratégica lógica de distribuição e excelente inteligência tecnológica (tentando alcançar, com poucas esperanças, os processos perfeitos da natureza) colaborarão para o cometimento de falhas, retrabalhos, atrasos, erros, custos dobrados, problemas com a equipe e, principalmente, com o consumidor final, que, relacionados aos órgãos do corpo humano, começam a deteriorar sua capacidade e seu potencial.

Quando existe um problema, seja na logística humana ou na logística operacional prática do dia a dia das empresas, se não for dada a devida importância e serem tomados os tratamentos, o quadro geral será agravado, afetando outras áreas, e, em casos mais graves, acabará com sua própria destruição.

Para finalizar, fica a reflexão. Comparando a logística do seu negócio aos princípios logísticos que a própria natureza nos oferece, como você vê a saúde futura de sua empresa em relação à logística e aos reflexos gerais que ela desencadeia? Longos anos de vida pela frente? Ou existem sintomas que indicam problemas? É importante fazer esta reflexão para combater o problema. E sempre lembrar que logística é tudo, e tudo é logística. A própria natureza nos ensina sobre isso.

Fonte: SHL Logística



Website: http://shllogistica.com.br
DINO Este é um conteúdo comercial divulgado pela empresa Dino e não é de responsabilidade do Terra

compartilhe

comente

  • comentários
publicidade
publicidade