0

Varejo deixou de faturar R$ 286,4 bilhões de março a julho

Volume mensal de perdas, no entanto, está diminuindo, segundo a Confederação Nacional do Comércio

12 ago 2020
14h08
atualizado às 14h12
  • separator
  • 0
  • comentários
  • separator

Apesar da melhora nas vendas, o comércio varejista brasileiro já deixou de faturar R$ 286,4 bilhões em decorrência da crise provocada pela pandemia de coronavírus, calculou a Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC).

Varejo deixou de faturar R$ 286,4 bilhões de março a julho
Varejo deixou de faturar R$ 286,4 bilhões de março a julho
Foto: fdr

A estimativa considera o volume que deixou de ser vendido pelo varejo ampliado - que inclui as atividades de veículos e material de construção - no período que se estende da segunda quinzena de março, quando a disseminação da covid-19 se agravou no País, até o fim de julho.

Diante do acesso de uma fatia considerável da população vulnerável ao auxílio emergencial distribuído pelo governo, do crescimento do comércio eletrônico e do início da flexibilização das medidas do isolamento social, o volume de perdas do comércio varejista tem diminuído. O prejuízo, que cresceu de R$ 39,3 bilhões em março para um pico de R$ 77,4 bilhões em abril, tem recuado desde maio (R$ 69,5 bilhões), descendo a R$ 54,6 bilhões em junho e R$ 45,6 bilhões em julho.

"O varejo não essencial, o mais afetado pela pandemia, continua de fato apontando perdas", observou o economista Fabio Bentes, responsável pelo estudo na CNC.

A entidade melhorou suas projeções para as vendas do varejo em 2020 após a divulgação nesta quarta-feira, 12, dos dados de junho da Pesquisa Mensal de Comércio pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). As vendas cresceram 8,0% em junho ante maio. No varejo ampliado, o avanço foi de 12,6%.

Como resultado, a projeção da CNC para o varejo neste ano saiu de uma queda de 6,3% para um recuo de 4,7%, enquanto para o varejo ampliado a retração esperada foi amenizada de 9,2% para 6,9%.

"Os dados de junho reforçam a ideia de que o auxílio emergencial está surtindo efeito. A flexibilização do isolamento social também está ajudando o varejo a voltar ao patamar pré-pandemia", justificou Bentes.

Em junho, o varejo restrito retornou ao patamar de vendas anterior ao agravamento da covid-19 no País, mas o bom desempenho foi sustentado por apenas três atividades, que já exibem patamares de vendas muito acima dos níveis de fevereiro, pré-pandemia: material de construção (as vendas estão 15,6% acima de fevereiro), móveis e eletrodomésticos (12,9%) e supermercados (8,9%).

Segundo Bentes, a mudança nos hábitos de consumo da população em tempos de pandemia explica a melhora em alguns segmentos em detrimento de outros.

"Tem mais alimento sendo consumido em casa do que fora de casa. As famílias também estão equipando suas casas. O isolamento social diminuiu, mas não voltou ao patamar pré-pandemia. As pessoas não precisam mais consumir tantos itens de vestuário, já que estão passando mais tempo em casa", disse Bentes.

Apesar da surpresa positiva com a velocidade de recuperação do varejo, o economista da CNC, acredita que o desempenho permanecerá desigual nos próximos meses, sem uma reação mais contundente dos setores mais afetados pela crise da covid-19.

"Ainda não vamos poder dizer ao final deste ano que todo o varejo voltou ao patamar pré-pandemia. Veículos e vestuário ainda vão fechar o ano no vermelho. Até porque o governo não garantiu o auxílio emergencial até o fim do ano", ponderou Fabio Bentes.

Veja também:

Os navios gigantescos que a pandemia mandou para o desmanche
Estadão
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade