PUBLICIDADE

Preocupações com Covid-19 e segurança no metrô limitam retorno aos escritórios em Manhattan

24 mai 2022 12h24
| atualizado às 12h39
ver comentários
Publicidade

Os esforços de empresas do setor financeiro e de outros segmentos para trazer trabalhadores de volta aos escritórios de Manhattan, em Nova York, vêm enfrentando dificuldades persistentes, disseram consultores, diante da preocupação dos trabalhadores com a Covid-19 e segurança no metrô.

Nova York ficou atrás de outros grandes mercados na percentual de funcionários que trabalham regularmente nos escritórios, em parte devido à alta dependência do transporte público e preocupações com a Covid, disse David Lewis, executivo-chefe da empresa de consultoria de recursos humanos OperationsInc, que trabalha com várias empresas no setor financeiro.

No geral, a cidade de Nova York teve uma taxa de ocupação de escritórios de 38,8% na semana encerrada em 11 de maio, abaixo da taxa de ocupação de 43,4% dos Estados Unidos, segundo dados da Kastle, que vende cartões de acesso a escritórios.

A segurança do sistema de metrô foi o maior obstáculo no retorno ao escritório, com 94% dos entrevistados dizendo que não está sendo feito o suficiente para resolver o problema, de acordo com uma pesquisa da Partnership for New York City.

Uma série de ataques recentes incluíram um tiroteio em massa em uma estação de metrô em abril e a morte de Michelle Go, uma mulher de 40 anos morta em janeiro depois de ser empurrada na frente de um trem. No domingo, Daniel Enriquez, que trabalhava para a Global Investment Research, do Goldman Sachs, desde 2013, foi morto enquanto estava em um trem com destino a Manhattan em um ataque aparentemente aleatório.

Aproximadamente 80% dos funcionários de escritórios em Manhattan dependiam do metrô para chegar ao trabalho antes do início da pandemia de Covid-19, disse Kathryn Wylde, executiva-chefe da ONG Partnership for New York City.

"O aumento dos crimes no metrô nos últimos dois anos claramente desencorajou as pessoas sobre a segurança (do meio de transporte), e seja uma desculpa ou realidade, as pessoas estão menos dispostas a voltar ao escritório a menos que a situação do crime no metrô seja resolvida", disse.

Preocupações crescentes com a segurança pública podem levar mais empresas a pagar táxis ou ônibus particulares para funcionários, disse Melissa Swift, líder de transformação da Mercer nos EUA. "Não costumava ser trabalho do empregador levá-lo (funcionário) ao escritório, mas uma consequência do período da Covid-19 é que, uma vez que o trabalho e a vida se misturam, você não pode simplesmente separá-los novamente", disse ela.

"Os empregadores estão sob enorme pressão dos funcionários para oferecer a maior flexibilidade possível no que se refere ao local de trabalho", disse Scott Crowe, da empresa de investimentos imobiliários CenterSquare Investment Management.

"Se agora há problemas de segurança, é outro vento contrário para os empregadores tentarem levar as pessoas de volta escritório".

Reuters Reuters - Esta publicação inclusive informação e dados são de propriedade intelectual de Reuters. Fica expresamente proibido seu uso ou de seu nome sem a prévia autorização de Reuters. Todos os direitos reservados.
Publicidade
Publicidade