PUBLICIDADE

Painel do Varejo de Livros aponta recuperação do setor após impacto da pandemia

Realizado pela Nielsen Book e pelo Sindicato Nacional dos Editores de Livros, relatório demonstra estabilidade em relação a 2019, boa notícia para o setor

20 jan 2021 17h40
ver comentários
Publicidade

O 13.º Painel do Varejo de Livros no Brasil de 2020, divulgado nesta quarta-feira, 20, pela Nielsen Bookscan e pelo Sindicato Nacional dos Editores de Livros, aponta para a recuperação total "das perdas geradas pela quarentena" no varejo do mercado editorial brasileiro.

O mês de dezembro foi o período com o maior registro de vendas do ano de 2020, apresentando 4,98 milhões de livros vendidos e faturamento de R$197,81 milhões. Em percentuais, houve um crescimento de 7,6% em volume e de 4,9% em valor quando comparamos o mesmo período em 2019.

De acordo com o SNEL, os bons números do período 13 contribuíram para manter o ritmo de recuperação do setor livreiro e fechar o ano de 2020 com números praticamente iguais ao de 2019. Em 2020, foram comercializados 41,91 milhões de livros, apresentando um crescimento de 0,87% em relação a 2019, no qual apresentou 41,54 milhões. Já em valores, o setor livreiro movimentou R$1,74 bilhão contra R$1,75 bilhão em 2019, apresentando uma oscilação negativa de 0,48%.

Ismael Borges, gestor da Divisão Nielsen Bookscan, comenta, em comunicado: "Um ano maculado por notícias negativas, enfim, nos vem a agradável notícia de que recuperamos totalmente as perdas geradas pela quarentena. Um fator a ser fortemente comemorado pelo setor".

Para Marcos da Veiga Pereira, presidente do SNEL, as perspectivas para 2021 são positivas. "O brasileiro voltou a ler, e as editoras apresentaram lançamentos importantes no final de 2020. Tivemos ainda a inauguração de um número recorde de novas livrarias

no último trimestre do ano, e este movimento tende a continuar este ano", disse, também em nota.

Os números do Painel têm como base o resultado da Nielsen Bookscan Brasil, que apura as vendas das principais livrarias e supermercados no País.

Estadão
Publicidade
Publicidade