0

Oxford testará vacina anti-Covid em crianças e idosos

Candidata é uma das mais promissoras para combater coronavírus

22 mai 2020
07h52
atualizado às 08h12
  • separator
  • 0
  • comentários
  • separator

A Universidade de Oxford, no Reino Unido, incluirá crianças e idosos nos testes em humanos de uma vacina contra o novo coronavírus desenvolvida em parceria com a empresa italiana de biotecnologia Advent-IRBM.

Ilustração de ampolas com rótulos de vacina para Covid-19
10/04/2020 REUTERS/Dado Ruvic/Ilustração
Ilustração de ampolas com rótulos de vacina para Covid-19 10/04/2020 REUTERS/Dado Ruvic/Ilustração
Foto: Reuters

A primeira fase dos testes clínicos, iniciada em abril, envolveu mil adultos de até 55 anos, e agora a universidade pretende recrutar mais 10,2 mil voluntários, incluindo crianças de cinco a 12 anos e adultos com mais de 55.

Os voluntários serão divididos em dois grupos e receberão uma ou duas doses da candidata a vacina ChAdOx1 ou de outra já autorizada, e os pesquisadores vão comparar o índice de infecção em cada um.

Essa etapa, segundo a BBC, pode durar de dois a seis meses, dependendo de quantas pessoas forem expostas ao novo coronavírus. Oxford já tem um acordo com a multinacional sueco-britânica AstraZeneca para a produção e distribuição da vacina em nível mundial - as doses de testagem foram feitas pela Advent-IRBM.

Na última quinta-feira (21), a AstraZeneca disse ter obtido um financiamento de US$ 1 bilhão do governo dos Estados Unidos para a vacina e que já tem acordos que garantem a produção de pelo menos 400 milhões de doses, com os primeiros lotes previstos para setembro, caso os testes deem resultado positivo.

A vacina se baseia em um adenovírus de chimpanzés contendo a proteína spike, usada pelo coronavírus Sars-CoV-2, causador da covid-19, para agredir as células humanas.

Veja também:

Ansa - Brasil   
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade