PUBLICIDADE

Ocupação de leitos de UTI para covid-19 chega a 86% na rede privada do DF

Na rede pública, índice se aproximou dos 80% nos últimos dias, mas registra agora 76% de ocupação

6 out 2021 17h47
ver comentários
Publicidade

BRASÍLIA - A ocupação de leitos UTI destinados especificamente a pacientes com covid-19 chegou à marca de 86% nesta quarta-feira, 6, nos hospitais da rede privada do Distrito Federal. Na rede pública, o índice se aproximou dos 80% nos últimos dias, mas registra agora 76% de ocupação.

Os dados são da Secretaria de Saúde do DF apontam que, de um total de 128 leitos para covid na rede pública, há hoje apenas 22 leitos vagos. Na rede privada, o número de leitos chega a 190, mas há apenas 25 deles vagos.

Hospital em Brasília recebe paciente infectado pela covid-19.
Hospital em Brasília recebe paciente infectado pela covid-19.
Foto: Breno Esaki/Agência Brasília / Estadão

Nesta terça-feira, 5, o DF ultrapassou a marca de 500 mil casos, com o registro de 3.016 novas contaminações. Esse volume alto para um único dia, no entanto, deve-se a dados represados que ainda não tinham entrado no sistema de saúde. Dos 3.016 casos, informou a Secretaria de Saúde, 2.632 estavam represados nos dados do e-SUS, do Ministério da Saúde.

Nesta terça, o secretário de Saúde, general Manoel Pafiadache, fez uma visita técnica ao Parque de Apoio e passou por unidades da rede saúde e pelo Hospital de Apoio de Brasília (HAB).

O secretário visitou a Câmara Fria, local onde são armazenadas todas as vacinas ofertadas na rede, incluindo as doses contra covid-19. Há previsão de chegada de mais 60 mil doses da vacina AstraZeneca e 143 mil doses da Pfizer para esta semana.

A Secretaria de Saúde informou que, a partir desta quarta começa a vacinar com a dose de reforço os profissionais de saúde que receberam a segunda dose da vacina contra a covid-19 até o dia 31 de março. Independentemente da marca da vacina que recebeu à época, esse público poderá procurar os pontos de vacinação ou ser vacinado nas próprias unidades.

Questionada sobre o número de leitos vagos, a Secretaria de Saúde informou que "está preparando internamente a rede hospitalar para eventual necessidade e aumento nas internações em decorrência da covid".

"Desde o início da pandemia, tem adotado medidas de controle e prevenção ao novo coronavírus", informou a pasta, acrescentando que "essas medidas abrangem abertura de leitos de UTI, aumento na força de trabalho para atendimento de pacientes na rede pública, entre outras".

A secretaria afirmou que, "nos momentos mais críticos da pandemia a pasta fortaleceu a parte assistencial, de forma que as unidades tivessem sua capacidade de atendimento potencializada", mas que, com a diminuição de casos e início da vacinação, foi possível a desmobilização de leitos de UTI e direcionamento desses leitos para hospitais de campanha".

Agora, com o apoio do Governo do Distrito Federal, a secretaria está visando o fortalecimento da comunicação, em função da cobertura vacinal, e em especial da segunda dose. A pasta ressalta que orienta também quanto a manutenção das medidas protetivas e sanitárias, que devem ser observadas por toda a população do Distrito Federal.

Estadão
Publicidade
Publicidade