PUBLICIDADE

Guedes cobra aprovação de PEC para benefício aos informais

Demora para sancionar vale de R$ 600 que será dado a trabalhadores, foi questionada pelo presidente da Câmara, Rodrigo Maia

31 mar 2020
19h35 atualizado às 19h48
0comentários
19h35 atualizado às 19h48
Publicidade
Ministro da Economia, Paulo Guedes, no Palácio do Planalto
04/03/2020 REUTERS/Adriano Machado
Ministro da Economia, Paulo Guedes, no Palácio do Planalto 04/03/2020 REUTERS/Adriano Machado
Foto: Reuters

Cobrado pelo presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), a liberar rapidamente o pagamento do auxílio de R$ 600 aos trabalhadores informais, o ministro da Economia, Paulo Guedes, devolveu a responsabilidade para o Congresso e disse que precisa de aprovação de uma Proposta de Emenda à Constituição (PEC) para livrar o governo de amarras que travam a implementação do benefício.

"Se Maia aprovar em 24 horas uma PEC de emergência, o dinheiro sai em 24 horas", disparou Guedes em coletiva no Palácio do Planalto.

A medida citada pelo ministro é a chamada PEC do "orçamento de guerra", que vai liberar o governo de seguir algumas regras fiscais nos gastos extraordinários devido à pandemia do novo coronavírus.

Hoje mais cedo, Maia disse que a PEC pode ser votada entre hoje e amanhã na Câmara, mas ressaltou que depende de um acordo com o governo sobre um último ponto. Como antecipou o Estadão/Broadcast, o Congresso tenta garantir no texto a previsão de que o Legislativo poderá sustar qualquer decisão do comitê de gestão da crise que será criado para coordenar os trabalhos, mas o Executivo é contra.

Enquanto essa PEC não for aprovada, Guedes disse que já foi alertado pelos secretários do Tesouro, Mansueto Almeida, e do Orçamento Federal, George Soares, de que não há fonte no Orçamento para bancar a despesa, um pré-requisito formal na hora de prever um gasto. Sem isso, segundo o ministro, os técnicos temem assinar os pareceres que dão suporte à despesa e, depois, serem responsabilizados por qualquer eventual irregularidade. O auxílio aos informais deve custar entre R$ 60 bilhões e R$ 80 bilhões, segundo o ministro.

"Estamos com um problema técnico, e presidente Maia pode nos ajudar muito", disse Guedes, lançando em seguida uma espécie de desafio ao presidente da Câmara. "Se Maia aprovar em 24 horas uma PEC de emergência, o dinheiro sai em 24 horas", disparou. Em seguida, no entanto, o ministro ressaltou que talvez a liberação não ocorresse exatamente em 24 horas porque depende da implementação e de cronograma já existente para alguns benefícios, como o Bolsa Família.

"Há toda uma logística, o dinheiro não cai do céu", afirmou Guedes. Ele disse que o governo está consciente de que qualquer atraso é "calamitoso".

O ministro insinuou ainda que há "exploração política" nas críticas à demora do governo na liberação dos pagamentos e lembrou que o programa voltado aos trabalhadores informais é totalmente novo. "Quando há uma crise desse tamanho, é natural que haja desencontro, e é natural também a exploração política", disse Guedes. O ministro disse que "tem dois ou três centros de poder no Congresso".

Ele advertiu que, numa situação tão grave, o País "não está com muita paciência para esse jogo político" e reconheceu que é preciso dar uma resposta rápida. Ele fez um "mea-culpa" por parte do governo e disse que, com muitas frentes de ação, às vezes pode ser difícil articular.

"Peço que haja um pouco de compreensão. Não é trivial colocar dinheiro na mão de 38 milhões de trabalhadores informais. Não é momento para explorarmos deficiências eventuais", seguiu o ministro.

Apesar de ressaltar a responsabilidade do Congresso, o ministro da Economia buscou depois um tom conciliador e defendeu que governo e Parlamento trabalhem juntos pela aprovação da PEC que destravará o pagamento. "A hora é de união, juntos somos mais fortes. Tenho certeza que presidente Maia quer nos ajudar a aprovar isso. Queremos implementar isso (auxílio a informais) o mais rápido possível", afirmou.

"Estamos precisando do apoio do Congresso Nacional", reiterou Guedes. "Jamais usaria oportunidade como essa para falar mal do Congresso."

Estadão
Publicidade
Publicidade