PUBLICIDADE

CPI quer que Saúde informe gastos sobre tratativas de vacina

Segundo jornal, a primeira tentativa do governo de buscar os imunizantes teria gerado um prejuízo de R$ 2,6 milhões

26 ago 2021 11h36
| atualizado às 12h18
ver comentários
Publicidade
Senadores prticipam de reunião da CPI da Covid
REUTERS/Adriano Machado
Senadores prticipam de reunião da CPI da Covid REUTERS/Adriano Machado
Foto: Reuters

O presidente da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Covid, senador Omar Aziz (PSD-AM), iniciou a sessão desta quinta-feira, 26, solicitando a criação de um requerimento de informações para que o Ministério da Saúde informe quanto foi gasto na tentativa "fracassada" - como classificou - do governo tentar se trazer 2 milhões de doses da vacina contra covid-19 da Índia. Em janeiro deste ano, o governo brasileiro chegou a preparar um avião para buscar as vacinas do país, contudo, as negociações tiveram diversos atrasos.

De acordo com notícia publicada pelo jornal Folha de S.Paulo, após fracassar na tentativa de buscar as doses, o Itamaraty negociou secretamente com o governo indiano e conseguiu transportar as mesmas doses por um valor muito menor.

Segundo a publicação, a primeira tentativa do governo de buscar os imunizantes teria gerado um prejuízo de US$ 500 mil (R$ 2,6 milhões na cotação atual) para a Fiocruz. Após isso, o Itamaraty negociou secretamente com o governo indiano e conseguiu transportar as mesmas doses por US$ 55 mil (R$ 288 mil na cotação atual), cerca de 10% do valor pago anteriormente.

"Tudo que se fez com a Índia em termo de vacina foi problemático", criticou Aziz, ao afirmar que o governo fez um "carnaval" para buscar as doses da vacina na Índia. Segundo ele, a operação "atrapalhada" teve um alto custo e não gerou nenhum benefício ao País.

Na mesma linha, o vice-presidente da CPI, senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP), solicitou que o relatório final da CPI inclua um quesito de ressarcimento do valor gasto na operação aos cofres públicos. "Um custo de mais de meio milhão de reais é um custo que não pode deixar de ser ressarcido aos cofres públicos", afirmou.

O vice-presidente destacou ainda que o ressarcimento deveria ser feito por parte dos responsáveis pela ação, o presidente da república, Jair Bolsonaro, e o ex-ministro da Saúde Eduardo Pazuello.

Estadão
Publicidade
Publicidade