PUBLICIDADE

Com dados incompletos, Brasil registra 92 mortes por covid

Também foram contabilizados 3.826 novos casos de coronavírus, com o total de infecções confirmadas no país avançando para 22.195.775

14 dez 2021 19h25
| atualizado às 19h32
ver comentários
Publicidade

O Brasil registrou nesta terça-feira 92 novas mortes por covid-19, o que elevou o total de vítimas fatais da doença no país a 616.970, informou o Ministério da Saúde, mas diversos Estados não tiveram os dados informados depois que a pasta sofreu um ataque hacker.    

Também foram contabilizados 3.826 novos casos de coronavírus, com o total de infecções confirmadas no país avançando para 22.195.775, acrescentou a pasta.

Os Estados de São Paulo, Rio de Janeiro, Mato Grosso do Sul e Tocantins não tiveram os dados de casos e mortes atualizados, enquanto Bahia, Paraíba, Rio Grande do Norte e Roraima forneceram apenas números de óbitos, segundo o ministério.  

Alemanha volta a ter alta nas mortes em 'pandemia de não vacinados'
Alemanha volta a ter alta nas mortes em 'pandemia de não vacinados'
Foto: ANSA / Ansa - Brasil

O Ministério da Saúde foi alvo de um ataque hacker na madrugada de sexta-feira que tirou do ar diversos sistemas da pasta, inclusive informações do Programa Nacional de Imunização, o ConecteSUS e o programa de emissão de certificado digital de vacinação. Segundo o ministérios, os dados foram recuperados, mas parte dos sistemas ainda continuava fora do ar nesta terça.

Em termos absolutos, o Brasil é o segundo país com maior número de óbitos pela doença, atrás somente dos Estados Unidos, e o terceiro em contagem de casos, abaixo de EUA e Índia.

O país, no entanto, tem registrado uma estabilidade nos números da pandemia nos últimos meses em patamares bem inferiores aos piores momentos da pandemia, à medida que avança em sua campanha de vacinação contra a covid-19.

Reuters Reuters - Esta publicação inclusive informação e dados são de propriedade intelectual de Reuters. Fica expresamente proibido seu uso ou de seu nome sem a prévia autorização de Reuters. Todos os direitos reservados.
Publicidade
Publicidade