0

China libera insumos da CoronaVac ao Brasil, diz Bolsonaro

O presidente Jair Bolsonaro garantiu, em postagem nas redes sociais, que o material estará "chegando nos próximos dias"

25 jan 2021
16h37
atualizado às 16h46
  • separator
  • 0
  • comentários
  • separator

A China liberou a exportação de 5.400 litros de insumos para a produção no Brasil da vacina CoronaVac, e a carga já está pronta para envio ao país, afirmou o presidente Jair Bolsonaro, nesta segunda-feira, em uma postagem nas redes sociais, acrescentando que o material estará "chegando nos próximos dias".

Bolsonaro afirmou ainda que os insumos para a vacina da AstraZeneca, que são aguardados pela Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) para iniciar produção do imunizante, "estão com liberação acelerada".

Presidente Jair Bolsonaro e presidente chinês, Xi Jinping, durante encontro em Brasília
13/11/2019
REUTERS/Adriano Machado
Presidente Jair Bolsonaro e presidente chinês, Xi Jinping, durante encontro em Brasília 13/11/2019 REUTERS/Adriano Machado
Foto: Reuters

Na postagem, Bolsonaro agradeceu a "sensibilidade" do governo chinês.

O Instituto Butantan, ligado ao governo de São Paulo e que trabalho no desenvolvimento da CoronaVac no país, e a Fiocruz esperam a chegada desses insumos da China para deslanchar a fabricação de vacinas no país.

Por trás, há uma disputa entre Bolsonaro e o governador de São Paulo, João Doria, na corrida pela vacinação no país. O Brasil começou a vacinação emergencial contra Covid-19 com a CoronaVac, vacina que o presidente chegou a ironizar e minimizar a sua eficácia.

Quase uma semana depois é que se começou a vacinação com o imunizante da AstraZeneca, que era a principal aposta do governo federal, mas cuja produção pela Fiocruz atrasou devido à demora da China para o envio de insumos.

Veja também:

Covid-19: o pesadelo da 2ª onda em plantão de UTI em Londres
Reuters Reuters - Esta publicação inclusive informação e dados são de propriedade intelectual de Reuters. Fica expresamente proibido seu uso ou de seu nome sem a prévia autorização de Reuters. Todos os direitos reservados.
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade